Prisão de Vaccari é 'cena inédita', diz Aécio

"Eu acho que esse é o mais triste retrato de um partido político que abdicou de um projeto de País para se manter a qualquer custo no poder", disse

Comentar
Compartilhar
15 ABR 201514h46

O senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), disse nesta quarta-feira, 15, se tratar de uma "cena inédita" a prisão do petista João Vaccari Neto, já que ele é o tesoureiro do partido que governa o País.

"O Brasil passa a ser protagonista de uma cena absolutamente inédita na nossa história: o tesoureiro, responsável pelas finanças do partido que governa o Brasil, hoje está preso e com sucessivas acusações e acusações extremamente graves. Eu acho que esse é o mais triste retrato de um partido político que abdicou de um projeto de País para se manter a qualquer custo no poder", disse.

Como vem fazendo desde que o nome de Vaccari começou a ser citado nas investigações da Operação Lava Jato, que apura o esquema de corrupção na Petrobras, o tucano fez questão de associar a imagem do tesoureiro a da presidente Dilma Rousseff.

Aécio Neves (MG) disse se tratar de uma

"O que eu refaço hoje é a mesma pergunta que fiz à presidente Dilma durante os debates eleitorais. A pergunta é a mesma. Será que a resposta também continua sendo a mesma? A presidente continua confiando no tesoureiro do seu partido, agora preso?", questionou. Durante a campanha, Dilma costumava responder à pergunta ressaltando que o ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra, também havia sido acusado de receber propina do esquema.

O tucano foi cauteloso ao responder se a prisão de Vaccari ajudaria na decisão do PSDB de entrar com um pedido de impeachment contra Dilma. "Nós estamos avaliando com juristas se existe a caracterização de crime de responsabilidade. O impeachment não é algo que esteja prioritariamente na agenda do PSDB, mas não pode ser visto como um golpe, é algo previsto na nossa Constituição", disse.