Políticos reagem e chamam fala de Eduardo sobre AI-5 de retrocesso e risco à democracia

O deputado federal deu a declaração em entrevista à jornalista Leda Nagle realizada na segunda-feira (28)

Comentar
Compartilhar
31 OUT 2019Por Folhapress16h02
A entrevista foi publicada nesta quinta (31) no canal de Leda Nagle no YouTubeFoto: Reprodução/YouTube

As declarações do líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP), defendendo um novo AI-5 caso a esquerda se radicalize foram vistas por políticos como um retrocesso e evidência de intenções autoritárias e risco à democracia. O deputado federal deu a declaração em entrevista à jornalista Leda Nagle realizada na segunda (28) e publicada nesta quinta (31) no canal dela no YouTube.

"Se a esquerda radicalizar a esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", afirmou o parlamentar, filho do presidente Jair Bolsonaro.

Uma das primeiras reações veio do presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, que disse em uma rede social nesta quinta-feira que "parece que não restam mais dúvidas sobre as intenções autoritárias de quem não suporta viver em uma sociedade livre".

"Preferem a coerção ao livre debate de ideias. Escolhem a intolerância ao diálogo. Ameaçar a democracia é jogar o Brasil novamente nas trevas. O PSDB nasceu na luta pela volta da democracia no Brasil e condena de maneira veemente as declarações do filho do presidente da República", disse Araújo.

Líder do partido na Câmara, Carlos Sampaio (SP) chamou a declaração de "desatino". "É um comentário que afronta a democracia, agride o bom senso e que não ajuda em nada o país neste momento em que estabilidade política é essencial para avançarmos nas discussões que são importantes para o país", afirmou.

A deputada Joice Hasselmann (PSL-PR) afirmou que a democracia vive um "grave risco". "Agora fica claro que isso é tudo que essa gente sempre quis", disse. 

"Começou com a radicalização do discurso, com o ataque desenfreado a qualquer um que guarde os princípios democráticos e defenda as liberdades, seguiu para interferência em outros poderes e com a construção da narrativa de que é preciso fazer qualquer coisa para o inimigo não tomar o poder, até mesmo um golpe", afirmou. 

Líder do Podemos na Câmara, o deputado José Nelto qualificou a declaração de infeliz e de retrocesso. "O Parlamento não concorda e não leva a sério uma declaração dessa. É um ato isolado e que vai criar um isolamento dele como líder no Congresso", afirmou.

Para Nelto, a declaração, além de desastrosa, fere a democracia. "Nós estamos vivendo um momento de autoritarismo não só no Brasil, a democracia está sendo atingida no fígado. É hora de reagir", defendeu.

Já o líder do bloco que reúne MDB, PP e Republicanos, o senador Esperidião Amin (PP-SC), disse que a manifestação é "absolutamente desconectada de fatos e realidades".

"De forma que acho que ela [a manifestação] é irrelevante pelo conteúdo e por quem explicita o conteúdo", afirmou o senador.

O líder do PSD no Senado, Otto Alencar (BA), disse que Eduardo não deve saber o que é o AI-5 e que não o leva a sério. "Ele diz tanta coisa sem conexão com o regime democrático... Será que ele tem respaldo das Forças Armadas?", indagou o senador. "Estamos vivendo um momento em que todas as crises destes últimos dez meses foram gestadas ou pelo presidente ou pelos filhos dele", afirmou.

A oposição também criticou as declarações. Líder da minoria na Câmara, a deputada Jandira Feghali (PC do B-RJ) questionou: "É o Brasil com AI-5 em pleno 2019 que Bolsonaro quer vender para o mundo e investidores? Um país com censura prévia, perseguição às liberdades individuais e mortes pelo Estado? É irresponsável, leviano! Essa família no poder é um erro grave na história do país."

A presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), defendeu que o Ministério Público e o STF (Supremo Tribunal Federal) tomem providências contra as declarações. "A população precisa saber o que vocês estão fazendo", disse.

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) marca o período mais duro da ditadura militar brasileira. Editado em 13 de dezembro de 1968 no governo de Artur da Costa e Silva, ele deixou um saldo de cassações, direitos políticos suspensos, demissões e aposentadorias compulsórias.

O mais radical decreto do regime também abriu caminho para o recrudescimento da repressão, com mortes e desaparecimentos de militantes da esquerda armada.