X
Política

PF faz buscas em endereço ligado ao ex-ministro Delfim Netto

O ex-ministro Antônio Delfim Netto e seu sobrinho, Luiz Apolônio Netto, são alvos da operação

A PF cumpre nove mandados judiciais expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba/PR de busca e apreensão em Curitiba, no Paraná, e nas cidades de São Paulo, Guarujá e Jundiaí / Divulgação

 A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (9) a 49ª fase da operação Lava Jato. Denominada "Buona Fortuna", a etapa mira políticos e agentes sob suspeita de terem obtido vantagem indevida de consórcio de empreiteiras interessadas nos contratos de construção da usina de Belo Monte, no Pará. O ex-ministro Antônio Delfim Netto -colunista da Folha de S.Paulo- e seu sobrinho, Luiz Apolônio Netto, são alvos da operação.

A PF cumpre nove mandados judiciais expedidos pela 13ª Vara Federal de Curitiba/PR de busca e apreensão em Curitiba, no Paraná, e nas cidades de São Paulo, Guarujá e Jundiaí.

O Ministério Público afirma que há fortes indícios de que o consórcio Norte Energia foi favorecido por funcionários do governo federal no leilão de concessão das obras da usina. Segundo os investigadores, a Norte Energia direcionou o contrato de construção da usina a outro consórcio, composto por empresas que deveriam pagar propina de 1% do contrato e aditivos em benefício de partidos políticos e seus representantes.

O esquema foi revelado, segundo a Procuradoria, por acordos de leniência firmados pelo Ministério Público Federal com as empresas Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, assim como acordos de colaboração premiada celebrados com seus executivos e homologados pelo Supremo Tribunal Federal em razão do envolvimento de pessoas com prerrogativa de foro.

DELFIM NETTO

Segundo a investigação, o ex-ministro Delfim Netto é suspeito de receber parte das vantagens indevidas que seriam direcionadas aos partidos PMDB e PT, em razão de sua atuação na estruturação do Consórcio Norte Energia. As provas indicariam que o ex-ministro recebeu 10% do percentual pago pelas construtoras a título de vantagens indevidas, enquanto o restante da propina foi dividido entre o PMDB e o PT, no patamar de 45% para cada partido.

De acordo com o Ministério Público, até o momento, já foram rastreados pagamentos em valores superiores a R$ 4 milhões de um total estimado em R$ 15 milhões, pelas empresas Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS e J. Malucelli, todas integrantes do Consórcio Construtor de Belo Monte, em favor de pessoas jurídicas relacionadas a Antônio Delfim Netto, por meio de contratos fictícios de consultoria.

No caso da Odebrecht os pagamentos foram registrados no sistema de controle de propinas da empresa, com o codinome "Professor", e as apurações demonstraram que realmente não foi prestado nenhum serviço pelo ex-ministro às empreiteiras que efetuaram os pagamentos.

Em abril de 2016, Flávio Barra, alto executivo da Andrade Gutierrez disse em acordo de delação premiada que a empreiteira pagou propina de R$ 15 milhões ao ex-ministro Delfim Netto, 87, na fase final das negociações para a construção da usina de Belo Monte.

Segundo Barra, o pagamento teria chegado a Delfim por meio de contratos fictícios de empresas de um sobrinho dele, Luiz Apolônio Neto, com a Andrade Gutierrez. Barra, que presidiu a AG Energia -braço da Andrade para esse mercado- disse que os pagamentos foram uma gratificação por Delfim ter ajudado a montar consórcios que disputaram a obra.

O Ministério Público informa que as investigações envolvendo Belo Monte -especialmente ligadas ao PT e integrantes do partido, assim como de outras empregas que integram o consórcio da obra- continuam perante a 13ª Vara Federal de Curitiba.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Praia Grande

Golfinho é encontrado morto na orla de Praia Grande

Mamífero foi encontrado em avançado estado de decomposição por um pescador, que acionou as autoridades

Polícia

Câmera registra 1º caso de PMs de SP matando suspeito desarmado

Existem ainda outros dois casos semelhantes em andamento sendo analisados, mas ainda sem conclusão

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software