X
Política

Odebrecht pagou mesada a irmão de Lula, diz revista

A informação constaria da delação de Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht

A Odebrecht pagou mesada de R$ 5.000 a um irmão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por mais de dez anos a pedido do petista, segundo reportagem da revista "Veja" / Divulgação

A Odebrecht pagou mesada de R$ 5.000 a um irmão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por mais de dez anos a pedido do petista, segundo reportagem da revista "Veja" desta semana.

A informação constaria da delação de Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht.

Segundo Alencar, a empreiteira repassou o dinheiro a José Ferreira da Silva, conhecido como Frei Chico, ao longo dos dois governos do petista (2003 a 2010). A mesada teria sido interrompida quando executivos da empreiteira foram presos.

A reportagem não especifica as datas.

José Roberto Batochio, advogado de Lula, afirmou que "o ex-presidente jamais solicitou nem sequer teve conhecimento de qualquer espécie de favorecimento a pessoas de seu círculo familiar, social ou partidário".

O episódio, se confirmado, se soma a outras acusações de envolvimento da família de Lula com esquemas na Odebrecht. O ex-presidente é réu em cinco ações por denúncias de corrupção e participação em organização criminosa, entre outras.

O petista nega as acusações e aponta perseguição política nos processos judiciais.

Uma das ações penais envolve o sobrinho de uma ex-mulher de Lula, Taiguara Rodrigues. Ele teria recebido R$ 30 milhões da Odebrecht em troca da atuação do ex-presidente em favor da empreiteira em Angola.

Parte desse montante teria sido destinada a gastos pessoais de Frei Chico. Alencar, porém, afirmou que a soma era maior, conforme a "Veja" –a mesada ao irmão do ex-presidente não estava incluída nessa conta, de acordo com a colaboração premiada.

Também a mulher do ex-presidente, Marisa Letícia, que morreu em fevereiro, foi envolvida em acusações. Alencar afirmou que ela pediu dinheiro da Odebrecht para reformar um sítio em Atibaia (SP) frequentado pela família.

A obra também teria tido atuação da OAS. Lula nega que seja dono do sítio.

OUTRO LADO

O advogado de Lula afirmou que a suposta mesada a Frei Chico é uma "deslavada falácia, como tantas outras lançadas por pessoas presas ou encalacradas na Justiça e que querem trocar mentiras por favores e benefícios penais em juízo".

"É a era da pós-verdade, das 'fake news'", disse Batochio. A assessoria de Lula afirmou que ele "agiu dentro da lei antes, durante e depois" do governo.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Semana terá clima maluco, por isso, leve guarda-chuva, protetor solar, casaco, para-raio e um bote

Clima indeciso marcará últimos dias de novembro

Brasil

Bolsonaro participa da formatura de cadetes do Exército na Aman

Os 391 cadetes são do 4º ano da Turma Dona Rosa da Fonseca

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software