X

Política

Objetivo é fazer Brasil como 'era a 40, 50 anos atrás', diz Bolsonaro

Ele falava majoritariamente da insegurança das grandes cidades, defendendo o encarceramento como solução

Folhapress

Publicado em 15/10/2018 às 16:45

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Bolsonaro visitou o Bope, no Rio de Janeiro, para agradecer o apoio de policiais / Divulgação/Fotos Públicas

Em entrevista à Rádio Jornal, de Barretos nesta segunda-feira (15), o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que o objetivo de seu governo é fazer o Brasil "ser igual a 40, 50 anos atrás". Ele falava majoritariamente da insegurança das grandes cidades, defendendo o encarceramento como solução.

"Cadeia não recupera ninguém. Cadeia é para tirar o elemento da sociedade", afirmou. Voltou a queixar-se de educação sexual na escola, dizendo que "quem ensina sexo para criança é o papai e a mamãe".

Questionado sobre sua frase antiga na qual defendia que mulheres ganhavam menos porque engravidavam, voltou a se defender, dizendo que não quis afirmar aquilo. Disse que a isonomia é prevista na CLT, mas escorregou novamente. "Nunca vi mulher reclamando que ganha menos do que homem", disse.

Bolsonaro negou a aliados que tenha convidado o diretor do Hospital Amor, o antigo Hospital do Câncer de Barretos, para ser seu ministro da Saúde se vencer a eleição presidencial. O nome de Henrique Prata circulou na semana passada, e o médico se mostrou disposto à missão.

Ele reiterou a afirmação durante a entrevista. "Nunca conversamos sobre essa possibilidade. Não quero desmerecê-lo, quero restabelecer a verdade", disse.

Pela manhã, ele visitou o Bope (Batalhão de Operações Especiais), no Rio de Janeiro, para agradecer o apoio de policiais.

"Obrigado a vocês e mais do que tudo pode, pela confiança pela parte de muitos, pode ter certeza, em chegando, teremos um dos nossos lá em Brasília. Caveira", disse, encerrando um breve discurso com o grito de guerra que entoa o símbolo do Bope.

"Temos a segunda maior bancada de Brasília sem tempo de televisão, sem fundo partidário, sem nada. Isso vem de gente como vocês. Então temos que acreditar e tentar mudar."

O candidato arrancou aplausos do grupo e brincou que cumprimentava um coronel, mas que quem vai mandar no Brasil são os capitães.

Bolsonaro é capitão reformado do Exército. Ele fez breve discurso a integrantes do batalhão, que foi filmado e distribuído por integrantes da campanha. Segundo assessores, foi uma visita a amigos. A imprensa não pode participar do encontro.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Operação Verão chega a 32ª morte após troca de tiros com a PM em São Vicente

O caso aconteceu no bairro Jardim Rio Negro, na área continental do munícipio

Mundo

Argentina barra acesso de brasileiros alegando 'falso turismo'

Nos últimos dois meses, diversas universitárias relataram terem sido barradas no aeroporto por autoridades argentinas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter