Obama pede que Câmara destine US$ 60 bi a regiões atingidas por Sandy

Predidente americano pediu aos congressistas que aprovassem um projeto de lei que visa ajudar as cidades atingidas pela supertempestade Sandy.

Comentar
Compartilhar
02 JAN 201316h35

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez um apelo para que os congressistas votem nesta quarta-feira (2) um projeto de lei que tem como objetivo ajudar a região nordeste do país a se reconstruir após a passagem da supertempestade Sandy. Obama afirmou que a Câmara dos Representantes deve aprovar a medida sem atrasos para recursos aos Estados que estão tentando reconstruir a infraestrutura vital.

O plano de US$ 60,4 bilhões já foi aprovado no Senado. O presidente disse que a Câmara "se recusou a agir, por mais que as famílias e as comunidades ainda precisem de ajuda para se reconstruir nos próximos meses e anos". Obama também disse que os cidadãos ainda necessitam de apoio visto que a pior parte do inverno está chegando.

bama afirmou que a Câmara dos Representantes deve aprovar a medida sem atrasos para recursos aos Estados que estão tentando reconstruir a infraestrutura vital. (Foto: AP)

Os comentários do presidente, divulgados pela Casa Branca nesta quarta-feira, foram realizados depois que a liderança republicana da Câmara dos Representantes surpreendeu os legisladores ontem ao afirmar que não conduziria nenhuma votação sobre o pacote de medidas relacionadas ao Sandy até quinta-feira, no mínimo. A informação foi divulgada apenas horas depois de congressistas da região nordeste dos EUA expressarem otimismo com relação a uma votação ainda hoje.

"É com o coração extremamente pesado que estou aqui quase descrente e de certo modo envergonhado", afirmou o representante (deputado federal) Michael Grimm, um republicano que representa moradores de Staten Island, bairro de Nova York bastante atingido pelo Sandy. Grimm disse que pela primeira vez não estava orgulhoso da decisão que seu partido tomou.

O Sandy devastou grande parte do nordeste dos EUA e Obama trabalhou com os governadores de Estados como Nova Jersey e Connecticut para levar o plano ao Congresso. O Senado aprovou a medida, mas alguns membros da Câmara disseram que ele era muito grande e possuía desperdícios de gastos.

Quando perguntado por que o projeto de lei havia sido suspenso, o representante da Câmara, o republicano John Boehner, disse que "está comprometido fazer com que o projeto de lei seja aprovado este mês".