“O vereador deve fiscalizar e ser um mediador junto ao Executivo”

O vereador da Câmara de Santos fala de sua carreira profissional, seu ingresso na vida pública e avalia o papel do vereador no Poder Legislativo

Comentar
Compartilhar
24 FEV 201321h28

Em entrevista exclusiva ao Diário do Litoral, o vereador da Câmara de Santos, Braz Antunes Mattos Neto fala de sua carreira profissional, seu ingresso na vida pública e avalia o papel do vereador no Poder Legislativo. Formado em odontologia, especializou-se em ortodontia, pelo Instituto Metodista de Ensino Superior de São Bernardo do Campo, em 1983. Braz também é professor universitário e foi presidente da Associação dos Cirurgiões Dentistas de Santos e Região.

Em 2003, filiou-se ao Partido Popular Socialista (PPS), abraçando a vida pública. Em 2004, foi eleito com 3.519 votos, pelo PPS, dando início a sua primeira legislatura, na Câmara. Braz é secretário geral do Executivo municipal do PPS e líder da bancada no Legislativo.

DL - Qual a representatividade do PPS hoje na Cidade?
Braz
– O PPS foi o quarto partido com o maior número de votos na Cidade de Santos, na última eleição. Hoje, na Câmara, de 17 vereadores, três são do PPS.

DL – O partido deve lançar candidato a prefeito?
Braz
– Não é o momento de lançarmos candidato a prefeito ainda porque precisamos de uma densidade eleitoral melhor, não só na Cidade, como no Estado e no país. Temos bons nomes, mas por ser um partido novo e de médio porte, eu acho que não é o momento, mas entendo que devemos ter candidato a prefeito, em 2012.

DL – Você pretende concorrer as eleições municipais de 2008?
Braz
– Sou pré-candidato a vereador pelo PPS.

DL – Qual a posição do PPS em relação ao Governo Municipal?
Braz
– Nós não abraçamos os 100% dos projetos do prefeito Papa, e tão pouco estamos na oposição. A gente tem procurado, os três vereadores (Braz, Marcelo Del Bosco e Jorge Vieira), conciliar os votos.

DL – Quais projetos de sua autoria você destaca?
Braz
– No começo do meu mandato, eu procurei o prefeito Papa para sugerir a instalação do Centro de Especialidades Odontológicas (CEOs), do Programa Brasil Sorridente, do Governo Federal. Santos conta com duas unidades. Isso foi uma iniciativa, não levei a plenário. Um projeto meu trata da distribuição do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) nas escolas. Tenho outro projeto de lei complementar, que ainda não foi votado sobre a poluição sonora. A emenda altera a lei obrigando o empresário a discriminar no pedido de alvará se o seu estabelecimento terá música ao vivo ou não. Se tiver, fica obrigado a investir em revestimento acústico.

DL – Como você define o papel do vereador no Poder Legislativo?
Braz
– O vereador tem que fiscalizar o prefeito os secretários, mas também ser um mediador. Intermediar projetos que sejam bons para a população, no sentido de construir junto. E eu intermediei junto ao prefeito a vinda dos CEOs para a Cidade porque seria bom para Santos.

DL – Qual a sua avaliação dos trabalhos apresentados na atual legislatura na Câmara?
Braz
– Pelo que a própria assessoria legislativa da Casa diz, o número de trabalhos apresentados nesta legislatura bateu recordes na Câmara. Isso em número, mas eu acho que quanto a qualidade, todos os vereadores têm feito o seu melhor juntamente com os seus assessores.