“Nova” Câmara de Guarujá será entregue em um ano

A contração dos serviços de reforma já está sendo licitada e as obras devem iniciar em dois meses

Comentar
Compartilhar
20 JAN 201315h16

Na ordem do dia, a reforma e ampliação da Câmara Municipal de Guarujá. Em aproximadamente um ano, o Legislativo deverá estar de casa nova, só que no mesmo endereço, segundo estima o presidente José Carlos Rodriguez (DEM). A “matéria” tem aprovação dos parlamentares, que defendem a necessidade de ampliação da Casa Legislativa.

O processo licitatório para a contratação da empresa que executará as obras já está aberto. O edital foi publicado no Diário Oficial do Município, no último sábado.

De acordo com o presidente da Câmara, as obras devem iniciar num prazo de 60 dias. Enquanto isso, a direção da Casa discute o novo endereço provisório para onde as atividades legislativas serão transferidas até que as obras sejam concluídas. Rodriguez afirmou que alguns locais já foram cogitados no bairro Santa Rosa e no Distrito de Vicente de Carvalho, mas o local ainda não está definido.

Com um orçamento preliminar de R$ 4 milhões, o projeto prevê ampliação de todas as dependências do imóvel, começando pela fachada. Rodriguez esclareceu que as obras serão custeadas integralmente pelo Legislativo, com recursos do orçamento que foram economizados.

“O gasto está previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias e aguardava ser utilizado há três anos, portanto, não deve onerar em nada o Orçamento Municipal”, diz nota enviada pela assessoria de imprensa da Câmara, ontem.

Para o vereador Luis Carlos Romazzini (PT), que exerce sua segunda legislatura consecutiva, a ampliação do espaço físico da Câmara é necessária, pois os gabinetes são muito apertados.

Entretanto o vereador defende que a sede da Câmara poderia ser mais próxima à Prefeitura. “Eu acho que a ampliação do prédio é uma necessidade. Quanto aos gastos ainda preciso avaliar”, afirmou Romazzini, embora defenda que a sede da Câmara deveria ser instalada próxima à Prefeitura, “como acontece em outras cidades”.

“Estou em pleno acordo com a proposta do José Carlos (presidente). As condições atuais são precárias e dificultam também o atendimento às pessoas que nos procuram”, afirmou o vereador Cândido Garcia Alonso (PMDB), que exerce seu primeiro mandato, se referindo ao tamanho dos gabinetes que os vereadores ocupam.

“É um salto não só de qualidade, mas de necessidade”, disse Rodriguez, ressaltando que conta com o apoio de todos os vereadores. O presidente comentou que o Legislativo ocupa o imóvel da Rua Quintino Bocaiúva, nº 183, em Pitangueiras, há 20 anos, quando o edifício foi cedido pela Prefeitura. “A reforma do prédio da Câmara vem sendo planejada há seis anos, e agora teremos a oportunidade de concretiza-la”.

Os demais parlamentares também foram procurados por nossa reportagem durante o dia de ontem, mas devido a compromissos e reuniões não foi possível o retorno até o fechamento desta edição.

O que muda

De acordo com o projeto, a fachada do imóvel será revestida por vidros. Os gabinetes serão ampliados tanto no tamanho quanto na quantidade, passando de 15 para 23.

O plenário, que atualmente é no primeiro andar do edifício, descerá para o térreo e terá sua capacidade de lotação triplicada de 40 para 120 assentos. O novo Legislativo terá ainda um anfiteatro, sala de reuniões, sala de entrevistas, e uma área destinada especialmente à imprensa — adequada para transmissões de rádio e televisão — e espaços mais adequados para todos os departamentos.

Para o Presidente da Casa, a realização do novo projeto, vem ao encontro das necessidades dos freqüentadores da Câmara, que aguardam um espaço mais interativo e, não apenas dos vereadores. “Queremos oferecer um local apropriado para receber projetos culturais e sociais, tornar o Legislativo uma verdadeira Casa do Povo”, explica.