Não vou mergulhar no meio dessa confusão que não é minha, diz Cunha

Sem se aprofundar no comentário, Cunha ironizou a declaração do colega de partido. "Estou aqui vivo. Morto não escreve", disse por meio de mensagem de texto

Comentar
Compartilhar
23 MAI 2016Por Estadão Conteúdo20h00
Não vou mergulhar no meio dessa confusão que não é minha, diz CunhaNão vou mergulhar no meio dessa confusão que não é minha, diz CunhaFoto: Agência Brasil

Afastado da Câmara desde o dia 5 de maio, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) não quis comentar as declarações do ministro do Planejamento Romero Jucá, em gravação divulgada nesta segunda-feira, 23, pelo jornal Folha de S.Paulo. "Não vou mergulhar no meio dessa confusão que não é minha", justificou Cunha à reportagem.

Na gravação, Jucá conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e reclama que só o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), está contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. "Só o Renan está contra essa porra. Porque não gosta do Michel, porque o Michel é Eduardo Cunha. Gente, esquece o Eduardo Cunha, o Eduardo Cunha está morto, porra", diz a matéria.

Sem se aprofundar no comentário, Cunha ironizou a declaração do colega de partido. "Estou aqui vivo. Morto não escreve", disse por meio de mensagem de texto.

Outro a ironizar o comentário de Jucá foi o líder do PSOL, Ivan Valente (SP). "O Eduardo Cunha está bem vivo. Ele nomeou André Moura (PSC-SE)", observou Valente, referindo-se à escolha do novo líder do governo na Câmara, que é ligado a Cunha.

O presidente afastado da Câmara esteve no Congresso na semana passada, para prestar depoimento no Conselho de Ética, onde responde a processo por quebra de decoro parlamentar. Na ocasião, disse que voltaria a frequentar a Casa nesta semana, mas no dia seguinte desistiu da ideia com receio de que o Supremo Tribunal Federal entendesse o gesto como desobediência. "Devem ter ponderado por seus advogados que poderia ser decretada sua prisão. Então ele recuou", declarou o líder do PSOL.

Valente disse que Cunha foi "arrogante", "prepotente" e agiu com um ar desafiador em seu depoimento no conselho.