Não é uma possibilidade eu desistir do cargo, afirma Cristiane Brasil

Segundo ela, Temer não pediu para ela desistir do posto durante a reunião nesta terça-feira

Comentar
Compartilhar
09 JAN 2018Por Estadão Conteúdo21h31
Nessa segunda-feira, 8, o juiz federal Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal de Niterói (RJ), suspendeu a nomeação de Cristiane Brasil para o cargo de ministra do TrabalhoFoto: Agência Brasil

Com a nomeação suspensa para o comando do Ministério do Trabalho, a deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) afirmou na tarde desta terça-feira, 9, ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, que não há a possibilidade de ela desistir do cargo. Ela disse que, em reunião com o presidente Michel Temer mais cedo no Palácio do Planalto, eles decidiram que vão aguardar julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) do recurso que o governo apresentará contra as decisões que suspenderam sua nomeação.

"Não é uma possibilidade", declarou, ao ser questionada se poderá desistir do cargo. Segundo ela, Temer não pediu para ela desistir do posto durante a reunião nesta terça-feira, da qual o presidente do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson, pai da deputada, também participou. "Foi o contrário", afirmou. Cristiane negou também que, durante o encontro, eles tenham discutido um novo nome para o cargo, caso ela seja impedida. "Vamos esperar o STF (Supremo Tribunal Federal)", declarou.

Nessa segunda-feira, 8, o juiz federal Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal de Niterói (RJ), suspendeu a nomeação de Cristiane Brasil para o cargo de ministra do Trabalho. A decisão do magistrado foi mantida nesta terça-feira pelo vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), desembargador federal Guilherme Couto de Castro. A Advocacia-Geral da União (AGU), por sua vez, anunciou que vai entrar com novo recurso contra a decisão, desta vez no STF. A posse da deputada estava marcada para esta terça-feira.