X

Política

Na transição, presidente eleito terá direito a auxiliares e seguranças

As prerrogativas são asseguradas em legislação que regulamenta o período da troca do comando do Palácio do Planalto

Folhapress

Publicado em 24/10/2018 às 11:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Na transição, presidente eleito terá direito a auxiliares e seguranças / Ricardo Stuckert / Instituto Lula

O presidente que for eleito no próximo domingo (28) terá direito a pedir ao governo federal equipe de seguranças e a nomear um grupo de auxiliares para o processo de transição.

As prerrogativas são asseguradas em legislação que regulamenta o período da troca do comando do Palácio do Planalto. No total, ele poderá indicar 50 assessores para cargos comissionados.

A norma não especifica regras para deslocamento aéreo ou moradia na capital federal durante a transição governamental.

Apesar de não haver previsão do uso de aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira), o ministro dos Direitos Humanos e subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, considera que, por questão de segurança, é permitida uma exceção.

"A prudência manda que ele se transporte dessa forma", afirmou à reportagem.

O decreto que regulamenta a utilização das aeronaves estabelece que o Ministério da Defesa poderá "autorizar o transporte aéreo de outras autoridades, nacionais e estrangeiras".

Em transições anteriores, mesmo sem previsão legal, presidentes cederam residência oficial para seus sucessores durante os meses de mudança.

Em 2002, Fernando Henrique Cardoso permitiu que Luiz Inácio Inácio Lula da Silva pernoitasse na Granja do Torto. O mesmo local foi cedido a Dilma Rousseff em 2010.

O grupo de transição será nomeado pelo Palácio do Planalto com direito a salário mensal e passagem de deslocamento à capital federal. A oferta de auxílio-moradia será analisada caso a caso.

Na liderança nas pesquisas eleitorais, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, pretende viajar a Brasília para um encontro com o presidente Michel Temer caso seja eleito.

A ideia é ele se desloque na semana seguinte ao anúncio oficial, assuma pessoalmente a negociação da mudança de governo e apresente seus nomes para a transição.

Para coordenar sua equipe, ele irá sugerir o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), anunciado como eventual ministro da Casa Civil de sua gestão.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cubatão

Processo de regularização fundiária no Costa Muniz tem início em Cubatão

A primeira etapa acontece na próxima segunda-feira (4), onde 90 famílias já estão agendadas para o atendimento

Nacional

Após o Carnaval, casos de covid disparam 83,2% no estado de São Paulo

As novas infecções foram impulsionadas pelas aglomerações recentes, além da circulação de subvariantes da ômicron

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter