Moro afirma que defesa de Lula faz 'propaganda política' do petista

Lula responde a uma ação acusado de ter se beneficiado de propina na compra e reforma de um tríplex no Guarujá (SP)

Comentar
Compartilhar
10 MAR 2017Por Folhapress20h00
Moro afirma que defesa de Lula faz 'propaganda política' do petistaMoro afirma que defesa de Lula faz 'propaganda política' do petistaFoto: Divulgação

Durante um debate em audiência nesta sexta-feira (10), o juiz federal Sergio Moro afirmou que a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz "propaganda política" do governo petista e disse que a prática é "inapropriada".

O juiz indeferiu uma pergunta do advogado Cristiano Zanin Martins, defensor do ex-presidente, que perguntava ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se o governo de Lula "trouxe benefícios ao país, e não buscou benefícios pessoais".

Meirelles foi convocado como testemunha de defesa do ex-presidente. Antes da questão, ele falou sobre a política macroeconômica do governo Lula e seus efeitos na economia brasileira.

"A impressão é a defesa está fazendo propaganda política do governo anterior. Isso não é apropriado", afirmou Moro.

O juiz entendeu que a resposta à pergunta seria uma opinião, e não um fato, e por isso a indeferiu.

"Não estou fazendo propaganda política. Eu sou advogado. Só estou enfrentando a acusação difusa que o Ministério Público lançou nos autos", afirmou Zanin.

Lula responde a uma ação acusado de ter se beneficiado de propina na compra e reforma de um tríplex no Guarujá (SP).

Na denúncia, o Ministério Público Federal o acusou de ser "o comandante máximo" do esquema de corrupção na Petrobras, e disse que o petista governava uma "propinocracia" para garantir a governabilidade.

Em nota, a defesa de Lula disse que sua arguição era "pertinente e favorável", e que a intervenção de Moro demonstrou um "notório desrespeito ao trabalho da defesa".

"Há uma clara opção de deixar ofuscar os sólidos argumentos que a defesa leva ao processo com incidentes periféricos gerados pelo juiz", afirmou Zanin, em nota.

SEM ILÍCITOS

Meirelles foi presidente do Banco Central durante os dois mandatos de Lula, e declarou que "nunca viu algo ilícito" durante o governo do petista.

"A minha relação com o presidente Lula era totalmente focada em assuntos relativos ao Banco Central e à política econômica. Nessa interação, eu nunca vi ou presenciei algo que pudesse ser identificado como algo ilícito", afirmou Meirelles.

O economista ainda disse ter atuado com "independência" à frente do cargo.

"Independentemente de desacordos que eu tive com diversos membros da administração, com outros ministros ou opiniões do próprio presidente, eu sempre tomei decisões de forma completamente independente, e ele me manteve no cargo", declarou.

O ex-ministro Luiz Fernando Furlan, que ocupou a pasta do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, também prestou depoimento nesta sexta (10).

Furlan declarou que todas as reuniões entre empresários e Lula que presenciou tratavam de "assuntos de interesse do país", e que nunca identificou práticas ilícitas no relacionamento do ex-presidente com o setor produtivo.