Ministro declara que vai resolver gargalos do porto

A primeira prioridade, segundo Brito, será agilizar o pagamento das parcelas pendentes das obras da perimetral da margem direita

Comentar
Compartilhar
25 FEV 201322h35

Em sua primeira visita ao porto de Santos, o ministro-chefe da Secretaria Especial de Portos, Pedro Brito, acompanhado de sua equipe técnica, elencou por ordem de prioridade os gargalos do porto que pretende equacionar o mais breve possível. Em entrevista coletiva, no auditório da Codesp, Brito falou ainda de ações para aumentar a competitividade no comércio exterior, qualificação profissional e geração de emprego na Região. Compuseram a mesa com o ministro o presidente da Autoridade Portuária, José Carlos Melo Rego; o diretor de Infra-estrutura, Arnaldo de Oliveira Barreto; e o diretor comercial e de Desenvolvimento, Fabrizio Pierdomenico.

A primeira prioridade, segundo Brito, será agilizar o pagamento das parcelas pendentes das obras da perimetral da margem direita. Para ele as vias perimetrais são fundamentais para o tráfego rodoviário e ferroviário no porto. A segunda prioridade apontada pelo ministro é a dragagem. “Amanhã (hoje) em audiência com o governador José Serra vamos tratar da questão do licenciamento ambiental para aprofundarmos o calado. O porto precisa receber navios maiores”. Brito esclareceu que é preciso aumentar o calado. Destacou a importância do aumento da movimentação de carga no porto de Santos de 80 milhões em tonelagem para até 120 milhões.

Na pauta de prioridades do ministro está ainda o equacionamento do passivo da Codesp. “Vamos cobrar os débitos da Usiminas, Libra e mesmo do Governo Federal”. Brito disse ainda que um grupo já foi constituído para estudar soluções para sanar o passivo da Codesp e entre as medidas está prevista uma discussão com os ministérios da Casa Civil e do Planejamento. Brito afirmou que o grupo deve apresentar uma solução dentro de 60 dias.

O ministro salientou também que estuda convênio com a Unesp e operadoras portuárias para a criação de cursos profissionalizantes como gestão portuária e engenharia naval. “Existe mercado na Região para essa profissionalização”. Ainda sobre geração de empregos, Brito destacou que o desenvolvimento do porto necessita de novos profissionais e acenou para a possibilidade da realização de um concurso público, na Codesp, ainda a ser estudado.

Outro projeto em estudos é a instalação de um “aeroporto que atenda o porto de Santos”, afirmou, complementando que a Região não oferece infra-estrutura se referindo a Base Aérea de Santos, em Vicente de Carvalho, onde desembarcou na manhã de ontem. Ao tomar ciência de quatro mortes de trabalhadores portuários, recentemente, Brito se comprometeu a rever a questão da segurança do trabalho, em área portuária. “A segurança do trabalho tem que ser ponto de honra”.

“O novo modelo de gestão portuária consiste em tornar os portos brasileiros mais competitivos entre si e no comércio exterior”, enfatizou o secretário. “Quanto maior a competitividade, maior o ganho de produtividade”. E para isso, declarou que a Secretaria que atuará com status de ministério dotará os portos brasileiros de toda a infra-estrutura necessária. 

Brito disse também que os portos deverão estar totalmente adequados às exigências do ISPS CODE em dois meses. “Dentro desse prazo estaremos concluindo o sistema de segurança”. O último compromisso do ministro ontem foi visitar o Sindicato da Administração Portuária.

Sobre as indicações para a diretoria da Codesp, o ministro se limitou a dizer que quem nomeará os novos diretores será o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. “Não cabe a mim indicar nomes para a diretoria da Codesp”. Ministro falou que visitará a Região regularmente para tratar pessoalmente das ações para os problemas do porto.

Porto-cidade

No final da tarde, como previsto na agenda, após deixar a Codesp o secretário se dirigiu à Prefeitura de Santos, onde foi recebido pelo prefeito João Paulo Tavares Papa, no salão nobre. Estavam presentes ainda o prefeito de São Vicente Tércio Garcia; o deputado federal Márcio França (PSB); o secretário municipal de Assuntos Portuários e Marítimos, Sérgio Aquino; e vereadores da Câmara Municipal de Santos.

No Paço o secretário disse ao prefeito Papa que acelerará o processo de cessão da área dos armazéns 1 ao 8, para o projeto de revitalização Alegra Centro. “O ministro já conhecia a história do projeto e se comprometeu a liberar rapidamente as áreas dos armazéns”, disse Papa. A partir daí teremos muito trabalho porque estamos falando da recuperação de uma área que está abandonada há 30 anos. Transformá-la em algo novo que gere emprego, que gere oportunidades para a Baixada e requalifique o turismo brasileiro. Sem dúvida nenhuma esse empreendimento terá um impacto nacional”.

Papa está otimista em relação ao novo modelo de gestão portuária que será implantado com a Secretaria que deverá trazer melhorias para a relação porto-cidade. “Os portos brasileiros precisam nesse momento de um tratamento de choque. A criação de uma secretaria com status de ministério que se reporte diretamente ao presidente da República, no nosso entendimento é a melhor opção para que o Governo trate os portos com a energia que o sistema portuário requer. Então essa medida é muito bem vinda pelas prefeituras portuárias do país.”, concluiu.