Ministro Alexandre de Moraes quer depoimento de Bolsonaro em 30 dias

Moraes, do STF, determinou que a Polícia Federal marque o interrogatório do presidente, que poderá escolher o dia e a hora para prestar esclarecimentos

Comentar
Compartilhar
07 OUT 2021Por Folhapress21h30
Os inquéritos em andamento na Corte contra Bolsonaro são relatados por Alexandre de MoraesOs inquéritos em andamento na Corte contra Bolsonaro são relatados por Alexandre de MoraesFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta quinta-feira (7) que a Polícia Federal tome o depoimento do presidente Jair Bolsonaro em até 30 dias. O interrogatório deverá ser presencial.

O chefe do Executivo poderá marcar dia e hora para prestar esclarecimentos à PF sobre a acusação de que interferiu na cúpula da corporação para proteger parentes e aliados, suspeita levantada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Moraes tomou a decisão um dia após a AGU (Advocacia-Geral da União) comunicar ao ministro que Bolsonaro, ao contrário do que vinha insistindo desde o ano passado, aceitou prestar o depoimento pessoalmente.

O depoimento do chefe do Executivo, segundo os investigadores encarregados do caso, é apontado como uma das providências finais da apuração relacionada à cúpula da PF.

Bolsonaro nega interferência na Polícia Federal, mas tentou forçar a substituição do chefe da corporação no Rio de Janeiro, base eleitoral do presidente e de dois dos seus filhos -o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Segundo o ex-ministro da Justiça, o chefe do Executivo pressionou pela mudança em agosto de 2019 e em janeiro, março e abril do ano passado.

No pedido de abertura de inquérito, o procurador-geral da República, Augusto Aras, citou oito crimes que podem ter sido cometidos: falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, prevaricação, denunciação caluniosa e crime contra a honra.

Em relação aos três últimos tipos penais listados por Aras, o alvo da apuração é o próprio Moro.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

O ex-ministro e ex-juiz da Lava Jato reafirmou as acusações feitas ao pedir demissão do Executivo e detalhou sua relação com Bolsonaro. Sobre a suposta intromissão no trabalho da polícia, Moro revelou que, por mensagem, o presidente cobrou a substituição na Superintendência da PF no Rio de Janeiro.

"Moro você tem 27 superintendências [estaduais], eu quero apenas uma, a do Rio", disse Bolsonaro pelo WhatsApp, segundo transcrição do depoimento de Moro à PF.

Além disso, o ex-ministro ressaltou que o chefe do Executivo teria reclamado e demonstrado a intenção de trocar a chefia da corporação em Pernambuco.

O formato do depoimento de Bolsonaro foi alvo de um julgamento do STF. O Código do Processo Penal concede ao presidente da República, na condição de testemunha em uma investigação, a prerrogativa de prestar depoimento por escrito.

Não há, porém, previsão legal quando o chefe do Executivo é investigado ou réu, situação do inquérito sobre a interferência. O exigiu a deliberação do plenário.

O julgamento havia sido iniciado em outubro de 2020. Primeiro relator do caso, o ministro Celso de Mello afirmou na ocasião que não seria admissível a concessão de "privilégios" e "tratamento seletivo" e defendeu que o presidente depusesse presencialmente à polícia.

O então decano sustentou que a legislação prevê o direito de ser interrogado por escrito apenas em casos em que a autoridade é testemunha do caso.

Após o voto de Celso de Mello, o presidente da corte, Luiz Fux, suspendeu a análise. Fux quis homenagear o colega e dedicou a sessão exclusivamente ao voto do colega, que se despedia da corte por aposentadoria.

No fim de novembro, por meio da AGU, Bolsonaro abriu mão de se justificar pessoalmente sobre a suposta interferência e recusou oficialmente a possibilidade de defesa.

Moraes, que substituiu Celso na relatoria, negou naquela época o pedido do presidente para não depor, afirmando que caberia ao plenário definir como será o interrogatório, se presencial ou por escrito. Esse julgamento foi suspenso nesta quarta-feira (6) depois de Bolsonaro se manifestar aceitando o depoimento presencial.