Mensagens apreendidas apontam que Queiroz era monitorado por advogado de Bolsonaro

Os promotores que pediram a prisão de Queiroz afirmam que o ex-assessor buscava omitir de Wassef as saídas que fazia do imóvel

Comentar
Compartilhar
19 JUN 2020Por Folhapress15h05
O MP-RJ diz ainda que o ex-assessor e seus familiares desligavam seus telefones quando se aproximavam da casaFoto: Reprodução SBT

O policial militar aposentado Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro preso nesta quinta-feira (18), era monitorado e sofria restrições de movimentação impostas pelo advogado Frederick Wassef, indicam mensagens apreendidas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

Os promotores que pediram a prisão de Queiroz afirmam que o ex-assessor buscava omitir de Wassef, também advogado do presidente Jair Bolsonaro, as saídas que fazia do imóvel onde morou nos últimos meses em Atibaia, de propriedade do advogado.

O MP-RJ diz ainda que o ex-assessor e seus familiares desligavam seus telefones quando se aproximavam da casa, a fim de evitar eventual monitoramento das autoridades policiais.

Queiroz foi preso sob suspeita de atrapalhar as investigações do MP-RJ sobre a suposta "rachadinha" no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa. Ele é apontado como operador financeiro do esquema, cuja finalidade seria beneficiar o próprio senador.

Mensagens datadas de outubro de 2019 mostram a mulher de Queiroz pedindo à filha para informar a uma mulher identificada como Ana que o casal está a caminho de São Paulo. A mulher responde: "Pode ficar tranquila que não falo nada não".

Em outro áudio, Ana afirma, segundo os promotores, que não comentou com "Anjo" sobre a viagem do casal. Para o MP-RJ, o apelido é referência a Wassef.

Outras mensagens mostram Queiroz explicando que precisa desligar o telefone ao se aproximar da casa de Wassef. "A gente vai ter que desligar o telefone, daqui a pouco a gente vai entrar na nossa área", disse Queiroz num áudio de julho de 2019.

Em agosto, outro áudio indica o procedimento adotado.

"Se tiver alguma coisa pra falar, fala por aqui [telefone de Márcia, mulher de Queiroz] ou por aquele telefone que tá com minha filha, tá bom? Quando eu entro na cidade em que eu tô, eu desligo os telefones", disse Queiroz a um homem identificado como Heyder.

 

Os diálogos indicam ainda que Wassef cogitou levar toda a família de Queiroz para Atibaia após a derrota no STF (Supremo Tribunal Federal) no julgamento sobre o compartilhamento de informações financeiras detalhadas em relatórios do Coaf.

"[Wassef está] Querendo mandar para todos [sic] para São Paulo se a gente não ganhar", disse Queiroz em 24 de novembro de 2019 para a mulher, Márcia Aguiar.

O julgamento sobre o compartilhamento de dados do Coaf começou no dia 21 de novembro e se encerrou no dia 28.

Na ocasião, a mulher considerou a intenção um exagero. "Mais [sic] só se estivéssemos com prisão decretada. Sabe que isso será impossível, né?", disse ela.

A presença de Queiroz na casa de Wassef contrariou todo o discurso do advogado e da família presidencial ao longo de um ano e meio, segundo o qual não havia mais contato entre os Bolsonaro e o ex-assessor de Flávio.

O senador chegou a dizer que um eventual contato entre os dois poderia ser interpretado como obstrução de Justiça.

Queiroz é apontado pelo MP-RJ como operador financeiro da suposta "rachadinha" no antigo gabinete de Flávio na Assembleia, onde ele exerceu mandato de deputado estadual entre fevereiro de 2003 e janeiro 2019.

A "rachadinha" é a prática de recolhimento de parte dos salários de assessores de um gabinete para fins diversos. No caso do filho do presidente, a suspeita é de que o senador era o beneficiário final da maior parte dos valores.

Investigadores identificaram o costume de pagamento de despesas pessoais do senador com dinheiro vivo. O MP-RJ identificou, por exemplo, que Queiroz foi o responsável por quitar boletos de mensalidade escolar das filhas do senador em outubro deste ano.