Manifestantes começam a se dispersar na Avenida Paulista

A Rua da Consolação, que fica no final da Avenida Paulista, foi fechada por um grupo de caminhoneiros que aderiram ao protesto

Comentar
Compartilhar
15 MAR 201519h02

Os manifestantes que protestam contra o governo federal, na Avenida Paulista, região central de São Paulo, começam a se dispersar. O ato chegou a reunir cerca de 1 milhão de pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar (PM). As pessoas protestam contra a corrupção e pela saída da presidenta da República, Dilma Rousseff. Alguns grupos pediram também intervenção militar. A Avenida Paulista permanece interditada nos dois sentidos.

Durante o momento de maior concentração, as catracas das estações do metrô Trianon-Masp e Consolação foram fechadas, segundo a empresa, por medida de segurança. Por volta das 17h30, as estações voltaram a funcionar normalmente. No fim da tarde, os manifestantes formavam longas filas para embarcar nos vagões do metrô.

Houve apenas o registro de uma ocorrência policial até o momento. De acordo com a PM, 20 skinheads foram detidos por porte de explosivos. A corporação informou que o grupo tentou jogar rojões conta os manifestantes na Avenida Paulista.

A Rua da Consolação, que fica no final da Avenida Paulista, foi fechada por um grupo de caminhoneiros que aderiram ao protesto. Segundo o líder dos motoristas, Claudinei Habacuque, eles reivindicam melhores condições de trabalho e a saída da presidenta. “O pedágio está muito caro, o óleo diesel, nem se fala, e a falta de segurança nas estradas é total”, declarou. Ele lembrou, no entanto, que a questão dos pedágios compete ao governo estadual.

Manifestantes começam a se dispersar na Avenida Paulista (Foto: Marcelo Pamiggiani(