X
Política

Lula diz que Bolsonaro e Moro são fascistas em entrevista a jornal argentino

Apesar de Lula e Bolsonaro não terem confirmado pré-candidatura, o tom do petista foi de rivalidade

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva / Heinrich Aikawa/Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou "os dois que estão competindo" na corrida presidencial para 2022 com ele, o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos) e o presidente Jair Bolsonaro (PL), em entrevista para o jornal argentino Página 12. Apesar de Lula e Bolsonaro não terem confirmado pré-candidatura, o tom do petista foi de rivalidade.

"São dois personagens muito comprometidos com a extrema-direita. E, no caso de Moro, ele é um personagem perigoso: quando era juiz, ele ousou mentir em um julgamento para me condenar e me levar à prisão para impedir que eu fosse eleito presidente em 2018", afirmou Lula.

"Diria que eles são dois extremistas. Bolsonaro é um fascista, e Moro é um neofascista. Ambos vão tentar mentir para a sociedade o tempo todo", completou. A reportagem entrou em contato com as assessorias do presidente e do ex-juiz e aguarda resposta.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Segundo o petista, os dois vão "lutar entre si para ver quem vai para o segundo round com o PT", em um possível segundo turno das eleições do ano que vem para a Presidência da República.

"Não sei se é percebido na Argentina, mas aqui sou a pessoa mais censurada do planeta Terra. Qualquer candidato além do PT, que tem 1% nas pesquisas, aparece mais na televisão do que Lula, que tem 46% ou 47% dos votos", disse o ex-presidente.

Com a rejeição de Bolsonaro subindo no Brasil, Lula descartou a possibilidade de não ser reconhecido como presidente caso vença as eleições de 2022.

"O que vai acontecer no Brasil é um golpe democrático: uma grande maioria do povo brasileiro rejeitará Bolsonaro e elegerá um candidato progressista. Espero que seja eu. O povo brasileiro se lembra de nosso legado. Estou convencido de que vamos vencer", afirmou.

Viúvo desde 2017, Lula ressaltou ter planos de se casar com a noiva Janja, apelido da socióloga Rosângela da Silva, no ano que vem. "Não é porque ela queira. Preciso me casar, tenho um compromisso com ela e espero que seja antes das eleições", falou.

A entrevista do Página 12 foi feita em São Paulo, no Instituto Lula, mas replicada nas redes sociais do jornal nesta sexta-feira (10), enquanto Lula está na Argentina para receber o Prêmio Azucena Villaflor, cedido para defensores de direitos humanos.

O jornal argentino tratou o petista como pré-candidato ao governo brasileiro e destacou que ele é "o candidato presidencial favorito para as eleições de outubro", segundo pesquisas de intenção de votos.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Semana do Brincar em Santos começa neste domingo com atividades para a família na orla

De 23 a 26 de maio, várias atividades serão realizadas nas escolas municipais

Polícia

Caçada a Cupertino teve campana em velório e fuga em caminhão de melancia

Polícia Civil usou um leque variado de estratégias de investigação na caçada do empresário acusado de matar o ator de Chiquititas Rafael Miguel e os pais

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software