X

POLÍTICA

Lula dá ministérios a PP e Republicanos, demite Moser e remaneja França

O anúncio foi feito hoje por meio de nota, após quase dois meses de negociação intensa entre Planalto e centrão

Lucas Borges Teixeira - Folhapress

Publicado em 06/09/2023 às 20:00

Atualizado em 06/09/2023 às 20:08

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Márcio França foi remanejado de ministério / Nair Bueno/DL

Para incluir PP e Republicanos no governo, o presidente Lula (PT) demitiu a ministra do Esporte, Ana Moser, e remanejou o ministro Márcio França (PSB) para uma nova pasta. O anúncio foi feito hoje por meio de nota, após quase dois meses de negociação intensa entre Planalto e centrão.

Como fica o governo

Os novos ministros serão os deputados André Fufuca (PP-MA), em Esporte, e Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), em Portos e Aeroportos.

Os dois foram recebidos por Lula no Palácio do Planalto para convite oficial nesta tarde. O governo já havia anunciado desde julho uma reforma ministerial, só faltava decidir quais pastas eles ocupariam.

Ainda foi criado o Ministério de Micro e Pequenas Empresas, como Lula já havia adiantado, que ficará com França. Este foi o jeito de o presidente atender aos pedidos do PSB e do vice-presidente, Geraldo Alckmin (PSB).

Com as mudanças anunciadas hoje, as pastas ficam assim:

  1. Silvio Costa Filho vai para Portos e Aeroportos;
  2. Márcio França vai para o ministério de Micro e Pequenas Empresas (recém-criado);
  3. André Fufuca vai para Esporte;
  4. Ana Moser deixa o governo.

Trata-se de um arranjo do governo Lula em busca de mais apoio na Congresso, em especial na Câmara. As mudanças foram combinadas diretamente com as bancadas da base dos dois partidos e com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com quem Lula se encontrou mais de uma vez para debater o assunto.

As mudanças foram necessárias para tentar não desagradar aliados e nem novatos. Desde que se propôs a agregar os ex-bolsonaristas, Lula passava por uma sinuca de bico para estabelecer o novo desenho da Esplanada. Ontem (5), Lula chamou Ana Moser para avisar que ela deixaria o cargo. Ele também almoçou com França e Alckmin para decidir o futuro do paulista, que resistia em deixar a pasta de Portos e Aeroportos.

Três ministros já deixaram o governo, sendo duas mulheres. Em abril, houve troca no GSI (Gabinete Institucional de Segurança) em meio a polêmicas do 8 de janeiro; em junho, o União Brasil determinou a primeira troca do centrão, na pasta de Turismo.

Esporte como alternativa pelo Desenvolvimento Social

Fica salvo o ministro do Desenvolvimento Social, Wellington Dias (PT). A pasta era a mais cobiçada pelo PP, mas houve resistência por parte de Lula de entregar o ministério responsável pelo Bolsa Família ao centrão.

Lula teve de escolher entre diminuir a participação feminina ou entregar o Bolsa Família. Sob críticas de apoiadores, o presidente evitava tirar Moser, depois de já ter trocado uma mulher por um homem no Turismo.

O PP, por sua vez, também resistia à pasta por considerá-la "pequena". Desde que considerou entrar no governo, o partido de Lira lutava pelo Desenvolvimento Social.

A solução foi "turbinar" o Esporte. A ideia é que o ministério concentre parte do orçamento das apostas esportivas, das empresas conhecidas como bets. A secretaria que a gerencia, no entanto, deverá seguir sob a alçada da Fazenda, de Fernando Haddad (PT).

O acerto também deverá incluir a presidência da Caixa Econômica Federal, com a indicação da ex-deputada Margarete Coelho, nome apoiado por Lira. O único pedido de Lula foi que a gestão, hoje sob Rita Serrano, seguisse com uma mulher.

Sem desagradar o PSB

Esporte era inicialmente a pasta desejada pelo Republicanos, que acabou aceitando Portos e Aeroportos. O problema é que, sem mandato, França não queria perder a vaga e resistia a ir ao novo ministério anunciado por Lula.

Para o PSB, Portos e Aeroportos tinha muitas semelhanças com o MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços), já comandado por Alckmin, enquanto para França a pasta era estratégica para o seu reduto eleitoral, a Baixada Santista, com o controle do maior porto do país.

O partido que compõe a chapa principal chegou a reclamar publicamente de uma diminuição do número de ministérios. Após o almoço com Lula ontem, quando o presidente apresentou a proposta final, Alckmin e França se reuniram com o presidente partidário, Carlos Siqueira, e o prefeito de Recife, João Campos (PSB), à noite. O vice levou a resposta a Lula nesta manhã no Alvorada.

Negociações difíceis

As negociações duraram cerca de dois meses de queda de braço e já estavam irritando o centrão. A entrada dos dois partidos foi confirmada pelo governo há quase um mês e meio, em meados de julho, quando já havia pressão do centrão por mais cargos.

Incomodado, o centrão da Câmara pressionou Lula com na votação de projetos importantes, em especial o arcabouço fiscal. O projeto que substitui o teto de gastos e ajuda a nortear a política econômica do terceiro mandato foi aprovado depois de muito vaivém, mas não da forma que o governo queria: sem a emenda que permitia gastos extraordinários pela União.

O governo dizia que não havia pressa e que Lula ainda estava "desenhando" o novo arco ministerial. A demora, no entanto, se deu em uma mistura entre dificuldade para fechar a nova Esplanada e um cálculo do presidente: conforme o UOL apurou, ele não queria parecer que o governo está refém do Congresso. Como já havia prometido as pastas aos dois partidos — "acordo no fio do bigode", como gosta de repetir —, o presidente argumentava não ver para correr com as indicações.

 

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

'Há sobras de caixa para investirmos em Cultura', diz Presidente da Petrobrás

Ele ainda comentou, que desde o inicio do governo Lula estão sendo pensado projetos que já somam R$ 150 milhões investidos pelo patrocínio da Petrobras

Nacional

Desmatamento na Amazônia cai 60% em janeiro deste ano

Com 40% de perdas, Roraima lidera ranking dos que mais desmataram

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter