Lista de Janot não afetará relação de governo com Congresso, avalia Kassab

"São questões distintas. Eu confio que a Justiça brasileira saberá conduzir o inquérito, punir eventuais culpados e absolver os que não têm culpa", disse

Comentar
Compartilhar
07 MAR 201515h22

O ministro das Cidades, Gilberto Kassab, se pronunciou neste sábado, 7, a respeito da divulgação da lista de políticos envolvidos nas investigações da Operação Lava Jato. Kassab disse "confiar na Justiça" e avalia que a divulgação dos nomes atrapalhará a relação do governo com o Congresso. "São questões distintas. Eu confio que a Justiça brasileira saberá conduzir o inquérito, punir eventuais culpados e absolver os que não têm culpa", disse.

Presença frequente em eventos com a presidente Dilma Rousseff nas últimas semanas, Kassab também falou sobre o ajuste fiscal, que tem gerado nervosismo nas relações entre o governo e sua base aliada. Para o ministro, o ajuste promovido pela nova equipe econômica do governo precisa ser explicado para a sociedade diariamente. "São medidas importantes, duras em alguns casos, que corrigem e aperfeiçoam nossa política econômica", disse.

Kassab avalia que a 'Lista de Janot' não afetará relação de governo com Congresso (Foto: Agência Brasil)

Popularidade

Kassab negou que as entregas de unidades do Minha Casa, Minha Vida façam parte de uma agenda positiva para recuperar a popularidade da presidente Dilma. "Não é uma questão de agenda positiva. Nós estamos entregando casas. É importante, quando possível, a presença do ministro e da presidente. O ministro esteve, na sexta-feira, 6, com a presidente em Araguari, Minas Gerais, para participar de evento de entrega de casas do programa habitacional do governo. E aproveitou para confirmar sua presença em novos eventos ao lado de Dilma Rousseff já na próxima semana.

Segundo Kassab, ele e Dilma foram convidados para a abertura de uma feira do setor de construção civil, na terça-feira, 10, em São Paulo. Também devem participar do lançamento das obras do BRT (Bus Rapid Transit), em Goiânia, também chamado de Corredor Goiás Norte/Sul. O início da operação está previsto inicialmente para 2016. O ministro participou, neste sábado, de evento em Mogi das Cruzes, interior paulista.