X
Política

Juíza nega gratuidade de Justiça a Eduardo Cunha

Justiça determinou ainda que sejam penhorados os seus bens 'supérfluos, suntuosos e em duplicidade' encontrados na residência

Cunha alegou que não teria como pagar as custas judiciais do processo por estar preso / Agência Brasil

A juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), negou o pedido do ex-deputado Eduardo Cunha de gratuidade de Justiça. Determinou ainda que sejam penhorados os seus bens “supérfluos, suntuosos e em duplicidade” encontrados na residência.

A medida, definida pela magistrada como “penhora portas a dentro”, serve para cobrir os R$ 8.425,80 correspondentes à dívida que Cunha tem com o Tribunal de Justiça do Rio.

Após perder a ação contra a Infoglobo, empresa do Grupo Globo, por publicação de um texto do jornalista Arnaldo Jabor que o chamava de “coisa ruim”, o ex-deputado alegou que não teria como pagar as custas judiciais do processo por estar preso e com seus bens bloqueados pela Justiça Federal. Com isso, a juíza da 52ª Vara Cível expediu o mandado de penhora para garantir o pagamento.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Polícia prende dois homens suspeitos de tráfico de drogas em São Vicente

Os agentes estavam em um patrulhamento preventivo pela Rua Antônio Luís Barreiros, no bairro Japuí, quando encontraram dois homens na trilha do surfista

Tragédia

Homem de 23 anos morre afogado ao tentar buscar bola de futebol no mar

Segundo informações do Grupamento de Bombeiros Marítimos (GBMar), o afogamento aconteceu na Praia Preta

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software