'Isso de rede social pega, é um horror', diz Temer sobre críticas à Previdência

Ele disse ser necessário combater 'inverdades' usadas para criticar a medida, como a que sugere que o trabalhador do setor privado só poderá se aposentar aos 110 anos

Comentar
Compartilhar
08 DEZ 2017Por Folhapress20h01
Michel Temer fez um apelo para que o setor da indústria química ajude a pressionar o Congresso pela reforma da PrevidênciaFoto: Divulgação/PR

Em discurso de tom otimista para uma plateia de representantes da indústria química, na manhã desta sexta-feira (8) em São Paulo, o presidente Michel Temer fez um apelo para que o setor ajude a pressionar o Congresso pela reforma da Previdência.

Ele disse ser necessário combater "inverdades" usadas para criticar a medida, como a que sugere que o trabalhador do setor privado só poderá se aposentar aos 110 anos.

"Isso pega. Essa história de rede social é um horror, pega. Botam uma caveirinha andando, 'acabei de me aposentar', como se ela tivesse morrido", afirmou Temer, para gargalhadas do público no encontro anual da Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química).

Segundo ele, "é mentira, é falso" o discurso de que as mudanças irão prejudicar trabalhadores, mencionando os da área rural, além de beneficiários como "idosos pobres" e pessoas com deficiência -o governo desistiu de mudar as regras para aposentadoria desses grupos, após a repercussão negativa.

O presidente reafirmou a expectativa de que a reforma seja votada na semana do dia 18, antes do recesso parlamentar, como já sinalizou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Para Temer, "tudo bem" quem queira criticar a alteração na legislação previdenciária: "Mas quem combate tem que falar que é a favor da manutenção dos privilégios".

O discurso do ataque aos privilégios ("ou, se quiserem, demasias", pontuou no evento) tem sido usado pelo governo em busca de apoio popular.

Temer disse também que é legítima a preocupação de deputados federais que, às vésperas do ano eleitoral, resistem a votar pela aprovação da reforma com receio de sofrerem prejuízos nas urnas.

"É natural que o deputado fique preocupado", afirmou, em meio ao discurso no qual apontou a reforma como fator "indispensável" para a continuidade do crescimento econômico.

O presidente disse que o governo não busca "aplauso imediato", explicando que não quer se aproximar de medidas populistas ou "desgraçadas", como "já se fez muito no nosso país".

Mais uma vez, lembrou o conselho recebido do publicitário Nizan Guanaes de que deveria aproveitar sua impopularidade para levar adiante medidas polêmicas, mas consideradas fundamentais para o país. "Eu gravei muito aquilo."