Inflação pesou na queda da avaliação de Dilma, diz CNI

Para o pesquisador, há grande incerteza sobre a economia brasileira e, para este ano, não se espera um crescimento muito mais forte que o do ano passado

Comentar
Compartilhar
27 MAR 201413h11

 O gerente executivo de pesquisa e competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, avaliou que a inflação tem peso crucial na queda da avaliação positiva do governo Dilma Rousseff, que foi de 43% em novembro para 36% neste mês de março.

Para Fonseca, não é possível dizer se há uma tendência de queda na popularidade da presidente, mas a política em relação aos preços pode definir o cenário futuro. "Depende muito do sucesso na luta contra a inflação, a grande questão na área econômica. Se o governo conseguir reverter esse processo, pode mudar o cenário da avaliação", disse.

Na opinião do gerente de pesquisa, ações fortes do governo contra a inflação dificilmente vão acontecer em 2014. "Num ano eleitoral, é muito difícil o governo enfrentar isso de maneira muito dura", afirmou.

Para o pesquisador, há grande incerteza sobre a economia brasileira e, para este ano, não se espera um crescimento muito mais forte que o do ano passado, quando o PIB cresceu 2,3%. Ele informou também que a CNI vai seguir com novas pesquisas de avaliação de governo ao longo do ano, mas não fará pesquisas de intenção de voto para as eleições.

Dilma Rousseff teve queda de avaliação que foi de 43% em novembro para 36% neste mês de março (Foto: Douglas Magno/O Tempo)