X

Política

Haddad diz que vai 'criar condições' para nova Constituição

O candidato do PT à Presidência confirmou que será convocada uma Assembleia Constituinte Exclusiva

Folhapress

Publicado em 28/09/2018 às 22:20

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Haddad desconversou ao ser questionado sobre a possibilidade de fechar alianças com o MDB / Divulgação/Fotos Públicas

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, disse nesta sexta-feira (28) que vai trabalhar para criar as condições de redigir uma nova Constituição, como previsto em seu plano de governo, caso seja eleito.

Em vista a Goiânia, o presidenciável confirmou que, em um eventual governo Haddad, será convocada uma Assembleia Constituinte Exclusiva. No entanto, ele não detalhou a proposta, que, segundo disse, sofreu alterações no texto.

"Isso já foi mediado. Quando o PCdoB passou a integrar a chapa, houve uma alteração no texto para criar as condições da convocação de uma assembleia exclusiva".

Haddad desconversou ao ser questionado sobre a possibilidade de fechar alianças com o MDB e de algum nome da sigla ocupar ministério, caso ele seja eleito. "Todos serão bem-vindos, desde que concordem com as ideias que estamos apresentando", afirmou. "Antes de discutirmos nomes e partidos, temos que convocar o país para discutir os projetos".

O candidato também não quis se manifestar sobre o nome que será escolhido para ocupar o Ministério da Fazenda, em um eventual governo Haddad. "Não vou discutir isso agora". A decisão deve ser divulgada só depois do início do segundo turno, como publicou a Folha de S.Paulo, para tentar diminuir a desconfiança do mercado.

O presidenciável evitou fazer críticas à Polícia Federal e ao Ministério Público ao ser perguntado sobre a operação que aponta o ex-governador de Goiás e candidato ao Senado, Marconi Perillo, como chefe de esquema de pagamento de propina. A operação foi deflagrada nesta sexta-feira (28).

No caso de operações realizadas pela Promotoria, Haddad disse que o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) é que deve julgar a conveniência de abrir uma investigação sobre eventual partidarismo por parte dos integrantes da carreira. "Promotor não pode fazer política. Tem de fazer justiça". 

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

POLÊMICA

Prefeitura de Santos quer arrecadar 56% a mais em IPTU dos terminais portuários

Inadimplência entre os terminais portuários supera em 40% a falta de pagamento do imposto por parte dos demais contribuintes do Município

MILHÃO

Câmara de Santos vai gastar R$ 41.306,00 por mês com painel eletrônico

Quase meio milhão, exatos 495.681,12 por ano com aluguel do equipamento e sistema integrado para votação de 21 vereadores

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter