X

Política

Haddad avança com 'milagre' e missão de recalibrar campanha

A passagem de Haddad para o confronto direto foi considerada "um milagre", por dirigentes da campanha, diante do sentimento antipetista que tomou o país.

Folhapress

Publicado em 08/10/2018 às 01:25

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Fernando Haddad (PT). / Divulgação

Fernando Haddad (PT) estava diante da TV no décimo quinto andar do Hotel Pestana, em São Paulo, quando viu o nome de seu principal adversário, Jair Bolsonaro (PSL), aparecer ao lado de um número-chave: 47,6% dos votos válidos.

Com mais de 80% das urnas apuradas, Haddad ergueu os braços e abraçou a mulher, Ana Estela. Na sua conta, confirmada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), haveria segundo turno.

A passagem de Haddad para o confronto direto foi considerada "um milagre", por dirigentes da campanha, diante do sentimento antipetista que tomou o país.

A partir de agora, o ex-prefeito de São Paulo terá que modular seu discurso e superar obstáculos internos se quiser chegar à Presidência.

O primeiro movimento será nesta segunda (8), quando ele vai se reunir com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso em Curitiba há seis meses. Ali, segundo petistas, deve pleitear a condução da campanha para tentar minimizar a resistência a seu nome no eleitorado de centro-direita.

O aceno ao mercado financeiro, a líderes religiosos e a setores da imprensa também faz parte do pacote que Haddad quer encaminhar na segunda etapa de campanha.

O herdeiro quer carta branca para criar pontes com integrantes do PSDB como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o ex-senador Tasso Jereissati (CE).

O discurso de Haddad focará a criação de uma frente suprapartidária, que defenderá os valores da democracia. A tese é que Bolsonaro vai contra esses ideais e que será desconstruído por ele, inclusive, com a exposição de incoerências e inconsistências de suas propostas.

O candidato já esboçou essa ideia ao discursar entre militantes petistas, que gritavam o nome de Lula ao seu redor, na noite deste domingo. Haddad disse que já havia telefonado a Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (Psol).

"Estou esperançoso de que teremos um segundo turno muito mais civilizado do que o primeiro. Tenho o maior respeito pelos que concorreram, sobretudo aqueles com quem trabalhei. Com a Marina, com Ciro Gomes, com Meirelles, no governo Lula."

A principal barreira, e Haddad sabe, será o próprio PT.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Economia

Com prejuízo de R$ 500 mi, Carrefour anuncia o fechamento de 123 lojas

Entre as unidades fechadas, 16 são hipermercados da própria marca; os demais são de bandeiras Todo Dia, Nacional e Bom Preço

Cotidiano

Congestionamento na Rodovia Anchieta já passa de 10 quilômetros

Cinco pontos do Sistema Anchieta-Imigrantes apresentam congestionamentos em direção ao Litoral; confira quais

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter