X

Política

Grupo pró-Lula inicia greve de fome e é retirado do STF por seguranças

O local da confusão, a área externa do Salão Branco, por onde os ministros do Supremo chegam para as sessões plenárias, foi alvo de simpatizantes de Lula na semana passada

Folhapress

Publicado em 31/07/2018 às 21:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Manifestantes que pedem a libertação do ex-presidente Lula anunciaram o início de uma greve de fome em ato no STF (Supremo Tribunal Federal) nesta terça-feira (31). Após lerem um manifesto, os seis ativistas foram retirados da frente do prédio por seguranças da corte, por volta das 16h30. Houve empurrões, e três manifestantes caíram.

O local da confusão, a área externa do Salão Branco, por onde os ministros do Supremo chegam para as sessões plenárias, foi alvo de simpatizantes de Lula na semana passada. Na ocasião, um grupo jogou tinta vermelha no chão, enquanto gritava "Lula livre".

Os manifestantes que iniciaram a greve de fome acusaram os seguranças da corte de truculência. O entorno da sede do Supremo foi fechado por grades, para evitar que mais manifestantes se aproximassem. Havia cerca de 40 pessoas do lado de fora com cartazes e instrumentos de percussão.

Jornalistas e fotógrafos que tentaram atravessar o isolamento para registrar o ato também foram barrados pelos seguranças. O STF foi procurado, por meio de sua assessoria, e deve se manifestar sobre o episódio.

O grupo que anunciou a greve de fome disse que ela não tem data para terminar e deve se estender até que o ex-presidente seja solto. São quatro homens e duas mulheres ligados a movimentos como o MST e a Central dos Movimentos Populares do Brasil, além do frei Sérgio Antônio Görgen.

Segundo ele, os grevistas escolherão ainda nesta terça um lugar para ficar, e todos os dias, daqui em diante, passarão algumas horas em frente ao Supremo.

"Não é possível que um juizeco de primeira instância, como o Sergio Moro, possa querer conduzir uma nação brasileira. A greve de fome é para dizer que o povo não vai ficar submisso aos interesses de Sergio Moro e de um grupo de juízes", disse um dos manifestantes.

Lula está preso em Curitiba desde 7 de abril, após ter sido condenado em segunda instância. Ele foi sentenciado por Moro por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP). A condenação foi mantida pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

As cortes superiores -o Supremo e o STJ (Superior Tribunal de Justiça)- têm negado até agora habeas corpus para soltar Lula.

O PT tem mantido a candidatura dele à Presidência da República. Os manifestantes disseram que o povo brasileiro deve ter o direito de votar em quem quiser.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

Lula assina lei que regulamenta motoristas de aplicativo

Os motoristas vão passar a receber pelo menos um salário mínimo como proporção pelas horas trabalhadas e compensação pelos custos de atividade

Polícia

Atropelamento em Guarujá deixa três feridos e dois ficam em estado grave

O incidente ocorreu por volta das 23h40 e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência foi acionado

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter