Graça Foster diz que Petrobras foi surpreendida pela Operação Lava Jato

"Essa operação atrasa nosso balanço e isso dificulta o acesso ao mercado financeiro. Mas, em 2014, com toda dificuldade batemos todos os recordes da Petrobras", ressaltou

Comentar
Compartilhar
26 MAR 201513h13

Em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras a ex-presidenta da empresa, Graça Foster, disse que apesar dos mecanismos de controle de órgãos como o Tribunal de Contas da União (TCU) terem melhorado a gestão da companhia, a corrupção na empresa foi descoberta pela polícia.

"Eu defendo os órgãos de controle da Petrobras, mas o grande descobridor [da corrupção na empresa] foi a Polícia Federal. Mas não posso negar que tanto o TCU [Tribunal de Contas da União], quanto a CGU [Controladoria-Geral da União] colaboram com a nossa gestão”, destacou Foster. Acrescentou que não foi a transparência da estatal ou um auditor independente os responsáveis pela descoberta dos problemas.  Ela frisou que a corrupção na Petrobras foi apurada “pelas investigações da polícia".

De acordo com Graça Foster, a Operação Lava Jato trará "muitos aprendizados" para a empresa, mas que, mesmo assim, a Petrobras tem superado as barreiras e que a estatal ficou surpresa com a deflagração da Lava Jato.

Graça Foster disse que a corrupção na empresa foi descoberta pela polícia (Foto: Agência Brasil)

"Essa operação atrasa nosso balanço e isso dificulta o acesso ao mercado financeiro. Mas, em 2014, com toda dificuldade batemos todos os recordes da Petrobras", ressaltou a ex-presidenta. Ela disse que o atual presidente da empresa, Aldenir Bendine, está trabalhando para que a empresa apresente o balanço e "vire a página".

Foster, que se aposentou da Petrobras, falou sobre as denúncias envolvendo a formação de cartel nas licitações para a realização de obras da empresa, investigadas na Lava Jato. Segundo ela, "mesmo à distância", a sei ver a preocupação maior é com a manutenção dos empregos. “A Operação Lava Jato levou a Petrobras a determinadas situações preventivas a respeito de diversas empresas apontadas como parte de um cartel. Só isso já impede, atualmente, a Petrobras continuar contratando-as”.

A ex-presidenta da petrolífera acrescentou que “o governo já está agindo para harmonizar essa situação”. “Acredito numa situação em que o governo possa se harmonizar com essa situação, para a manutenção de empregos no Brasil. Sou defensora do emprego dentro da racionalidade. Temos condições de manter dentro da racionalidade, dentro da competitividade", afirmou.

Ao ser questionada a respeito da taxa de extração nas bacias do pré-sal, Foster disse que ficam em torno de 85%, chegando a 100% em algumas bacias. "É a oportunidade real, devemos estar de olho na economia para poder utilizar o melhor aproveitamento das reservas". Ela defendeu as descobertas do pré-sal como sendo "grande oportunidade" para o pais.