'Governo Bolsonaro permanece em campanha', diz cientista político

Para Mauricio Fronzaglia, passeatas contra cortes na educação mostram que equipe deve "partir para governabilidade" e não "confronto".

Comentar
Compartilhar
18 MAI 2019Por Da Reportagem15h06
O cientista político Mauricio Fronzaglia.Foto: Arquivo Pessoal

Em todo o Brasil, manifestações espontâneas e partidárias tomaram as ruas nesta quarta-feira (15/05) para protestar contra o projeto de corte na educação pretendido pelo governo, tendo à frente o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Em meio à escalada das manifestações, o presidente Jair Bolsonaro, em visita ao ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em Dallas, chamou os integrantes das revoltas de "idiotas úteis", dizendo que eram "massa de manobra de uma minoria da esquerda" e que "não sabem a fórmula da água".

A fala de Bolsonaro repercutiu na mídia nacional e internacional, no momento mais crítico para o governo desde a posse em janeiro. Para o cientista político da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mauricio Fronzaglia, a reposta aos movimentos pelo país mostra que o governo "permanece em campanha".

"Algo básico, que faz parte da estrutura dos problemas, é que o governo Bolsonaro parece permanecer em campanha. Quando se faz campanha política, necessariamente se parte para o confronto – a menos que se faça alianças. Você tem adversários e a lógica é vencê-los. E a partir do momento que a campanha se torna governo, no entanto, é preciso partir para a governabilidade", diz.

"Desse ponto em diante, é preciso fazer política; no sentido de política pública, de ação governamental. A ação de fazer política é a de criar consensos provisórios. É necessário conseguir negociar e ter acordos. Quando o presidente [Jair Bolsonaro] e o ministro [Weintraub] partem para o confronto e agridem os adversários, fecham as portas ao diálogo. É uma renúncia ao ato de governar".

Colunas

Contraponto