Gastou-se mal ou duas vezes?

Legislativo fechou contrato no valor de R$ 3,6 milhões para serviços de informática em 2013

Comentar
Compartilhar
10 DEZ 201211h38

A Câmara de Guarujá empenhará cerca de R$ 3,6 milhões para manter-se informatizada em 2013 — o dobro do que foi empenhado este ano, na ordem de R$ 1,8 milhão que, com  aditivo, atingiu a marca dos R$ 2 milhões. A homologação foi publicada no último dia 28, no Diário Oficial do Município e assinada pelo presidente, vereador José  Carlos Rodriguez (PP).  

Um detalhe: o empenho será para prestar o mesmo serviço do ano passado, que é gestão dos serviços de informática, impressão, serviços de mão de obra, instalação de hardwares, softwares, suprimentos e manutenção. Ou seja, é como se todo o sistema de informática da Casa, em um ano, tivesse que ser reinstalado ou trocado, por  equipamentos mais sofisticados.  

 Gastos com informática chegam perto do custo do novo prédio — R$ 5,8 milhões (Foto: Luiz Torres/ DL)

O consórcio que venceu o pregão presencial foi o Siello, formado pelas empresas Ello Office & Empreendimentos LTda EPP, que vem prestando serviços à Câmara desde 2008, e Simapi Comércio Importação e Exportação Ltda EPP, de Praia Grande, cujo capital inicial é R$ 120 mil — no mínimo teria que ser R$ 360 mil (10% do valor do contrato). É importante ressaltar que a empresa praiagrandense fornece material de construção, elétrico e produtos saneantes sanitários. Não fornece, pelo menos em seu objeto  social, nenhuma referência a produtos de informática. 
 
Se no ano passado o valor daria para comprar 1.500 notebooks (R$ 1.200,00 cada), de última geração por ano e com garantia, evitando possíveis problemas de manutenção.  O novo contrato, que ainda não foi assinado, serviria para adquirir o dobro dos equipamentos.   
 
Comparação inevitável
 
Por pouco, não se gasta com informática o mesmo que se gastou com a reforma do novo prédio do Legislativo, que foi R$ 5,8 milhões. De qualquer forma, foi empenhado o  mesmo valor da compra de todos os móveis (2,6 milhões) e na aquisição de materiais, equipamentos, cabeamento de telefonia e circuito interno de TV (R$ 1 milhão). Há outro tipo de comparação que, muitas vezes, não é lembrada pelos guarujaenses, principalmente os mais humildes e com pouco acesso à informação.
 
A Prefeitura de  Guarujá vai gastar menos com a construção do Píer da Praia do Perequê, obra que se arrasta há quase quatro anos. 
Orçado em R$ 2,3 milhões, o píer deve beneficiar centenas de famílias de uma comunidade caiçara que sobrevive, diariamente, com muita dificuldade em Guarujá, envolvendo pescadores, comerciantes e trabalhadores das imediações. 
 
A reforma do Teatro Procópio Ferreira, outro exemplo, custará a metade — R$ 1,8 milhão. Principal equipamento cultural do Município, o teatro serve não só turistas que frequentam a Cidade, mas principalmente a moradores, que sofrem com a falta de espaços culturais.  
 
Câmara
 
A Câmara de Guarujá, por intermédio de sua Assessoria de Imprensa, justifica os 100% de aumento do contrato do setor de informática da Casa da seguinte forma: “todos os equipamentos serão trocados e o número de unidades ampliado, foi requisitado o dobro na quantidade de equipamentos, assim como nos serviços prestados e será feita a troca de equipamentos e upgrade total nos serviços”.

Colunas

Contraponto