X
Política

Esquerda se une contra prisão de Lula, mas descarta candidatura única

Segundo o despacho do juiz Sérgio Moro, o ex-presidente tem até as 17h desta sexta-feira (5) para se entregar à Polícia Federal

Sergio Moro determinou a prisão do ex-presidente Lula nesta quinta-feira (5) / Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Líderes da oposição na Câmara dos Deputados afirmaram que os partidos de esquerda devem se unir contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, determinada pelo juiz Sergio Moro nesta quinta-feira (4), mas descartam candidatura única nas eleições.

Segundo o líder do PSOL na Casa, Ivan Valente, o partido tem uma postura contrária à prisão e favorável à candidatura de Lula mesmo tendo lançado candidato próprio ao Planalto, o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) Guilherme Boulos.

"O partido tem posição contrária a essa sinalização de perseguição política e falta de imparcialidade com que a Justiça está tocando o processo do Lula", afirmou. Ele disse haver "clara pressa" para prender o petista, que teve o habeas corpus negado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quarta (4).

Ele, no entanto, não acredita que a prisão unificará a esquerda em torno de uma candidatura única nas eleições de 2018. "O PT mesmo com uma inviabilidade da candidatura do Lula tende a tentar transferir a popularidade para uma candidatura própria", disse.

Segundo o despacho de Moro, Lula tem até as 17h desta sexta-feira (5) para se entregar à Polícia Federal. Amigo de Lula, o deputado Orlando Silva (PC do B-SP) disse que a tendência é a união da esquerda em torno de Lula, mas disse que ainda é cedo para saber como o grupo se comportará nas eleições.

"Vai radicalizar a cena política do Brasil. O debate será mais sectário. O primeiro impacto é de produzir solidariedade ao presidente Lula. As arbitrariedades aproximam as esquerdas", afirmou Orlando Silva.

O deputado também criticou a celeridade da decisão de Moro e decidiu antecipar sua ida para São Bernardo, onde vive o ex-presidente, para esta quinta-feira (5), para apoiar o ex-presidente.

"Fica claro que há uma sanha para que haja um justiçamento do presidente Lula. O próprio STF foi atropelado", criticou o deputado.

Governistas

Líderes de partidos governistas comemoraram a decisão de Moro. Segundo o líder do DEM, Rodrigo Garcia (SP), a determinação da prisão de Lula mostra que "a lei é para todos". "Ela mostra que todos os brasileiros têm que cumprir a lei", disse.

Outros adversários procuraram minimizar o impacto da determinação de prisão de Lula no cenário eleitoral.

"Não desestabiliza o processo eleitoral. Escolhemos [nosso candidato à Presidência, Geraldo Alckmin (SP)] antes de sair a decisão. Estamos preparados para o combate", afirmou Ricardo Tripoli (SP), ex-líder do PSDB na Câmara.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Praia Grande

Golfinho é encontrado morto na orla de Praia Grande

Mamífero foi encontrado em avançado estado de decomposição por um pescador, que acionou as autoridades

Polícia

Câmera registra 1º caso de PMs de SP matando suspeito desarmado

Existem ainda outros dois casos semelhantes em andamento sendo analisados, mas ainda sem conclusão

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software