Espionagem atenta contra natureza da internet, diz Dilma

A presidente disse que as revelações sobre os mecanismos abrangentes de espionagem provocaram repúdio e as classificou como "fatos inaceitáveis"

Comentar
Compartilhar
23 ABR 201414h17

A presidente Dilma Rousseff voltou, nesta quarta-feira, 23, a falar sobre as denúncias de espionagem por parte da Agência de Segurança Nacional dos EUA, reveladas durante o ano de 2013. Em discurso durante a Conferência Multissetorial Global sobre o Futuro da Governança da Internet (NetMundial), em São Paulo, Dilma disse que as revelações sobre os mecanismos abrangentes de espionagem provocaram repúdio e as classificou como "fatos inaceitáveis".

Dilma lembrou que, no Brasil, até a Presidência da República teve suas comunicações espionadas e disse que a espionagem atenta contra a natureza da internet. Segundo a presidente, foram estes os fatores que a fizeram propor na Assembleia Geral da ONU a discussão sobre a governança na internet. Dilma lembrou ainda do apoio recebido da chanceler alemã, Angela Merkel.

Dilma Rousseff voltou a falar sobre as denúncias de espionagem por parte da Agência de Segurança Nacional dos EUA (Foto: Agência Brasil)

Na opinião da presidente, os direitos das pessoas fora da rede devem ser garantidos também na internet e a proposta defendida pelo Brasil serve para fortalecer sistematicamente a liberdade de expressão. Dilma exaltou ainda a realização do fórum no Brasil, pois, segundo ela, a discussão ajuda a imprimir o necessário sentido de urgência ao tema.

Logo na abertura de seu discurso, a presidente fez um agradecimento especial ao deputado Alessandro Molon (PT-RJ), relator do Marco Civil na Câmara dos Deputados, e ao senador Walter Pinheiro (PT-BA). No agradecimento de Dilma ao Senado pela votação de ontem, foram citados ainda Vital do Rêgo (PMDB-PB), Zezé Perrella (PDT-MG) e Ricardo Ferraço (PMDB-ES).