Em forma de denúncia, pedido de cassação de Jucá perde força

Diferentemente do que foi anunciado pelo senador, o documento protocolado nesta terça-feira, 24, por Telmário Mota (PDT-RR) é uma denúncia contra Romero Jucá (PMDB-RR) e não uma representação

Comentar
Compartilhar
24 MAI 2016Por Estadão Conteúdo16h30
Em forma de denúncia, pedido de cassação de Jucá perde forçaEm forma de denúncia, pedido de cassação de Jucá perde forçaFoto: Agência Brasil

Diferentemente do que foi anunciado pelo senador, o documento protocolado nesta terça-feira, 24, por Telmário Mota (PDT-RR) é uma denúncia contra Romero Jucá (PMDB-RR) e não uma representação. Na prática, o processo começa a tramitar uma etapa antes e pode não ser punido com cassação.

Denúncia e representação são duas formas distintas de se pedir o início de um processo disciplinar contra um senador. Entretanto, enquanto a representação prevê perda de mandato temporária ou definitiva, para a denúncia as penalidades são apenas advertência e suspensão.

A denúncia pode ser feita por qualquer cidadão, já a representação precisa ser assinada pelo representante de um partido político. Apesar de o presidente do PDT, Carlos Lupi, assinar o documento protocolado por Telmário, o pedido é de denúncia.

Ao final do documento, os subscreventes ponderam que, caso o Conselho de Ética entenda que a denúncia justifica perda de mandato, que o processo seja convertido em representação. A conversão não é tão simples. Para isso, é preciso um parecer do relator do caso no conselho e a concordância dos demais integrantes.

Próximos passos

Antes que a denúncia passe a tramitar no Conselho de Ética do Senado, é feita antes uma avaliação de admissibilidade pelo presidente do colegiado, João Alberto Souza (PMDB-MA), que tem até cinco dias úteis, a contar do recebimento do processo, para aceitar ou recusar o pedido.

Caso aceita, a denúncia será analisada pelo conselho após o sorteio de um relator. Caso rejeitada, cabe recurso ao plenário do conselho.