Em Cubatão, Alckmin promete moradias

Governador visitou o bairro da Água Fria nesta quarta-feira (27), um dos mais castigados pelas fortes chuvas

Comentar
Compartilhar
28 FEV 201312h50

Debaixo de fortes chuvas, sob um grande lamaçal, cercado de entulho por todos os lados e ouvindo gritos de “queremos casa”, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), prometeu no final da tarde desta quarta-feira (27), no bairro da Água Fria, em Cubatão, 1.200 apartamentos para as famílias daquela região, uma das mais afetadas pelos temporais dos últimos dias. Ele não estipulou prazo.

Alckmin estava acompanhado de secretários de Estado, da prefeita Marcia Rosa (PT) e alguns vereadores do Município. Antes, de helicóptero, ele esteve sobrevoando a área.

Além dos apartamentos, ainda sem prazo para começar as obras por falta de terreno, o governador garantiu que, em 20 dias, terminará as obras emergenciais de recuperação de parte da Estação de Tratamento de Água (ETA) de Pilões. Os trabalhos deverão regularizar o abastecimento de água. Mas a obra completa só terminará em oito meses.

Água Fria - Geraldo Alckmin firmou compromisso com moradores (Foto: Matheus Tagé/ DL)

Segundo revelou, para ocupar os futuros imóveis, será feito um cadastramento de moradores — um trabalho de parceria entre a Prefeitura de Cubatão e a Secretaria de Habitação do Estado. O cadastramento permitirá que cada família receba um auxílio-moradia de R$ 400,00, considerado insatisfatório por grande parte dos moradores que acompanharam a visita. 

Ele revelou que existem 221 apartamentos prontos, que estavam em processo de mudança e 376 imóveis que devem ser entregues em abril próximo, totalizando 597 apartamentos. “Precisamos destinar às famílias de área de risco já cadastradas”, disse o governador, alertando que entregou 3.760 unidades nos bairros cota, totalizando 20 mil pessoas atendidas.

Terrenos

Paralelamente, Alckmin disse que existem dois terrenos em vista para construir os complexos habitacionais — um de propriedade do Município, na Ilha Nhapium, que deverá ser doado ao FAR (Programa Minha Casa Minha Vida), que iria viabilizar 900 apartamentos, e outro particular (do Grupo Peralta), que viabilizaria mais 800 apartamentos.

“Este último depende do Ministério Público liberar. Temos ainda um terceiro terreno, no Parque São Luiz, que também está com problemas ambientais. Se liberado, vai dar para construir 800 apartamentos. Os três juntos atenderiam todas as 1.200 famílias da Água Fria e parte de Pilões”, finalizou Alckmin.