Eduardo Campos minimiza divergências com Marina

Durante um ato conjunto do PSB e da Rede anteontem (28) na capital paulista, Marina defendeu diante de Campos o lançamento de uma candidatura própria do PSB em São Paulo

Comentar
Compartilhar
30 NOV 201312h11

Um dia depois de divergir publicamente de Marina Silva pela primeira vez, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB-PE), disse ontem (29) que a falta de consenso sobre a formação de palanques estaduais com a Rede já era uma situação esperada. "Nós fizemos a aliança em 5 de outubro. Há um projeto em que priorizamos o País, mas já sabíamos que iríamos conviver com algumas situações assim", disse o governador depois de participar de um evento com ruralistas em Curitiba.

Durante um ato conjunto do PSB e da Rede anteontem (28) na capital paulista, Marina defendeu diante de Campos o lançamento de uma candidatura própria do PSB em São Paulo. O governador, que negociava o apoio do seu partido à reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB) antes da entrada da ex-ministra na legenda, desconversou e disse que a prioridade devia ser o projeto nacional. Questionado novamente sobre a situação no Estado, Campos não quis opinar. O PSB paulista deseja ter a vaga de vice na chapa do PSDB.

O governador Eduardo Campos minimizou divergências com Marina Silva (Foto: Alice Vergueiro/Futura Press)

Choque

A desavença sobre o quadro político paulista causou o primeiro choque entre dirigentes do partido e "marineiros". Um dos principais operadores políticos da Rede, o deputado federal Walter Feldman (PSB-SP) disse ao Estado que uma eventual aliança da sigla com o PSDB em São Paulo seria uma "poligamia explícita". "Apoiar o Geraldo seria uma poligamia explícita, já que o PSDB terá um candidato presidencial (Aécio Neves) e o PSB outro. Nós entraríamos na campanha com duas posições acumuladas." Ainda de acordo com Feldman, que era do PSDB até 5 de outubro, a perspectiva de candidatura própria no Estado "é muito promissora".

O secretário-geral do PSB paulista, Wilson Pedro da Silva, rebate o deputado e afirma que o caminho do partido está "90% fechado com o Alckmin". "Somos nós que temos votos no congresso do PSB, que tomaremos essa decisão. É complicado um grupo chegar agora e dizer que não será assim", disse.

Reservadamente, dirigentes da Rede dizem que diante da imposição de uma eventual aliança do PSB com o PSDB em São Paulo, o grupo pode até fazer campanha para um candidato de outro partido. No Paraná, o cenário é parecido, pois a tendência do PSB é de apoiar a reeleição do tucano Beto Richa, mas os aliados de Marina tentam lançar um nome próprio.