Eduardo Bolsonaro diz ter apoio do chanceler e que 'já fritou hambúrguer' nos EUA

O parlamentar voltou a afirmar que a indicação para o posto ainda é uma possibilidade e que até este domingo (14) deve se reunir com seu pai para definir a questão

Comentar
Compartilhar
12 JUL 2019Por Folhapress14h18
Eduardo Bolsonaro disse que fez intercâmbio nos Estados Unidos e 'fritou hambúrguer no frio do Maine'Foto: Agência Brasil

Após se reunir com o chanceler Ernesto Araújo, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou nesta sexta-feira (12) que recebeu o apoio do ministro das Relações Exteriores para assumir a embaixada do Brasil em Washington. Ao responder sobre suas qualificações para assumir um dos mais importantes postos na diplomacia brasileira, o parlamentar disse que fez intercâmbio nos Estados Unidos e "fritou hambúrguer no frio do Maine".

"É difícil falar de si próprio. Mas não sou um filho de deputado [presidente] que está do nada vindo a ser alçado a essa condição. Existe um trabalho sendo feito, sou presidente da Comissão de Relações Exteriores [da Câmara], tenho uma vivência pelo mundo", declarou Eduardo, na saída do Palácio do Itamaraty.

"Já fiz intercâmbio, já fritei hambúrguer lá nos EUA, no frio do Maine, estado que faz divisa com o Canadá. No frio do Colorado, numa montanha lá, aprimorei meu inglês. Vi como é o trato receptivo do norte-americano para com os brasileiros. Então acho que é um trabalho que pode ser desenvolvido. Certamente precisaria contar com a ajuda dos colegas do Itamaraty, dos diplomatas, porque vai ser um desafio grande. Mas tem tudo para dar certo", concluiu.

O parlamentar voltou a afirmar que a indicação para o posto ainda é uma possibilidade e que até este domingo (14) deve se reunir com seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, para definir a questão.

Eduardo disse entender que, caso seja indicado, só precisaria renunciar ao mandato depois da sabatina no Senado e da confirmação no Plenário da Casa.

Ele reafirmou que a ida aos EUA colocaria a relação do país com o Brasil em "um outro patamar", por se tratar de um embaixador que seria filho do presidente da República. E descartou que sua nomeação possa se enquadrar nas regras que vedam o nepotismo.

"Ele [Ernesto Araújo] expressou apoio ao meu nome por ocasião da possível indicação para a embaixada dos EUA. Acredito que agora falta só conversar com o presidente Jair Bolsonaro e reafirmar se essa é mesmo a vontade dele, se ele mantém o que tem dito. Está tudo na esfera da cogitação e tudo encaminhado", concluiu.

Em café da manhã com a imprensa nesta sexta, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, reconheceu que a indicação de Eduardo Bolsonaro causou polêmica.

O general ponderou que o anúncio feito pelo presidente Jair Bolsonaro talvez pudesse ser feito na próxima semana, após a conclusão da votação dos destaques da reforma previdenciária. Para ele, o anúncio agora deu margem para críticas de deputados oposicionistas.

"Deu polêmica, eu reconheço, saiu na imprensa. Agora, vamos aguardar", disse. "Poderia ter anunciado semana que vem? Talvez, durante o recesso parlamentar", acrescentou.

O ministro ressaltou que a indicação ainda não foi oficializada e lembrou que, em outros episódios de política externa, o presidente fez um anúncio, mas a iniciativa não se concretizou, como no caso da transferência da embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.

"É um processo que, se vai ser confirmado, tem de ver", disse. "Ele não disse da embaixada em Jerusalém? Ela está onde? Em Tel Aviv. O presidente tem esses momentos", ressaltou.

Ele ressaltou que, mais do que filho do presidente, Eduardo é político e um "jovem preparado". E lembrou que o ex-presidente Itamar Franco foi nomeado pelo seu sucessor, Fernando Henrique Cardoso, para as embaixadas de Portugal e Itália.

Ramos também afirmou que o ex-deputado federal Tilden Santiago (PT-MG) foi nomeado para a embaixada de Cuba pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com ele, segundo informações levantadas pelo Palácio do Planalto, não há ilegalidade na indicação de Eduardo.

"Quem era o braço direito do presidente norte-americano John Kennedy? Era o irmão dele, o Robert Kennedy", disse o ministro, lembrando que ele foi indicado para assumir o posto de procurador-geral na época.

O anúncio de Bolsonaro causou desconforto tanto entre o corpo diplomático quanto entre a cúpula militar, para os quais o gesto do presidente desgasta a imagem do governo, sobretudo o discurso de que pretendia fazer "nova política".

No Palácio do Planalto, a avaliação foi de que Bolsonaro quis, na verdade, lançar uma espécie de "balão de ensaio" para testar o impacto de uma indicação do filho, como fez Donald Trump quando disse que pensou em nomear sua filha Ivanka Trump como presidente do Banco Mundial. ?

Colunas

Contraponto