'Economia irá reagir mal se reforma não for aprovada' , diz Temer

O presidente afirmou que se a proposta passar, 'o país dará um salto e todos irão aplaudir'

Comentar
Compartilhar
13 DEZ 2017Por Folhapress22h02
Para Temer, até a próxima semana, há tempo suficiente para tentar alcançar um placar de 308 votosFoto: Divulgação/Fotos Públicas

Na tentativa de reverter votos, o presidente Michel Temer adotou nesta quarta-feira (13) tom alarmista e disse que a economia responderá negativamente se a reforma previdenciária não for aprovada. Em encontro com prefeitos do país, o presidente afirmou que se a proposta passar, "o país dará um salto e todos irão aplaudir".

No discurso, ele disse que a intenção é votar a iniciativa neste ano, mas admitiu a possibilidade dela ficar apenas para fevereiro.

"Eu temo que, se não conseguirmos aprová-la em qualquer momento, a economia responda negativamente. Isso não é bom para o país", disse.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, em novembro, o ministro Dyogo Oliveira (Planejamento) também ressaltou que o país enfrentará uma nova recessão em 2019 caso a proposta não seja aprovada.

Para Temer, até a próxima semana, há tempo suficiente para tentar alcançar um placar de 308 votos, acima dos 270 votos que o Palácio do Planalto garante ter.

"Nós não sabemos se vamos votar a proposta agora, porque temos de ver o número de votos", disse.
O esforço do governo é votar a iniciativa na próxima terça-feira (19) caso tenha a garantia de pelo menos 320 votos.

Se não for possível, o peemedebista quer que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marque já a data da nova votação em fevereiro.

O presidente realizou evento nesta quarta-feira (13) para confirmar a entidades de prefeitos o repasse de R$ 2 bilhões aos municípios até o fim deste mês.

O objetivo é que eles façam ofensiva sobre deputados e senadores pela aprovação da reforma previdenciária.

"Eu peço aos senhores, a partir de agora, que comecem a manter contato com colegas, deputados e senadores, dizendo que a sociedade quer isso e precisa isso", disse.