Doria usou prefeitura para divulgar parceria nunca firmada com amigo

O projeto deveria ser realizado em conjunto com a Ultrafarma e previa o plantio de 600 mil árvores na cidade -150 mil só no ano passado

Comentar
Compartilhar
27 JUL 2018Por Folhapress16h31
João Doria (PSDB) usou a estrutura da Prefeitura de São Paulo para divulgar a marca de um empresário amigo em uma parceria nunca firmadaJoão Doria (PSDB) usou a estrutura da Prefeitura de São Paulo para divulgar a marca de um empresário amigo em uma parceria nunca firmadaFoto: Divulgação/Fotos Públicas

O ex-prefeito João Doria (PSDB) usou a estrutura da Prefeitura de São Paulo para divulgar a marca de um empresário amigo em uma parceria nunca firmada. O projeto deveria ser realizado em conjunto com a Ultrafarma e previa o plantio de 600 mil árvores na cidade -150 mil só no ano passado.

O compromisso nunca foi assinado, mas Doria usou meios de comunicação e até plantas de um viveiro da prefeitura em eventos que divulgavam o nome da marca, o que se reverteu em massiva publicidade positiva para a empresa. Sidney Oliveira, dono da empresa, é o amigo de Doria que chamou a atenção ao comprar placas de publicidade em estádios para doar propaganda do programa vitrine de zeladoria da gestão tucana em jogos da seleção brasileira.

A história começou em 6 de maio do ano passado, quando Doria e o então secretário do Verde, Gilberto Natalini (PV), lançaram o programa Cidade Verde. Com ajuda de voluntários e ao lado de Sidney, plantaram 150 mudas no parque do Carmo, em Itaquera, na zona leste. O evento rendeu ampla divulgação da Ultrafarma, tanto por veículos de comunicação quanto em propaganda veiculada pela própria empresa.

Reportagem do jornal RedeTV! News, por exemplo, mostra Doria citando a marca, seguido de entrevista com Sidney. O projeto é citado no programa A Tarde É Sua, da apresentadora Sonia Abrão.

O nome da Ultrafarma também foi divulgado em veículos oficiais da prefeitura, que dispuseram de jornalistas para cobrir o evento de uma alegada parceria com a empresa. A Ultrafarma é que doaria as mudas, mas as que aparecem nas reportagens foram doadas pelo viveiro Manequinho Lopes, da própria prefeitura. Três dias antes, o viveiro recebeu o pedido de 150 mudas, de 25 espécies, como ipês, cedros e pitangueiras.

Nos meses seguintes, houve eventos parecidos. Um deles, por exemplo, no Parque do Rodeio, em Cidade Tiradentes, também contou com 100 mudas do viveiro municipal. A ação rendeu notícia em jornalzinho da Ultrafarma, com logotipo da prefeitura, com tiragem de 500 mil exemplares. Outro evento, na região da Penha, rendeu reportagem no programa Amaury Jr. Nela, um funcionário da Ultrafarma dá entrevista, com imagens de um caminhão com logos da prefeitura e da farmacêutica. 

Em vídeo publicado em outubro em rede social do dono da Ultrafarma, Doria afirmou que Sidney havia doado um milhão de árvores. "Tanta árvore que estamos doando até para cidades vizinhas", disse, ao lado do dono da Ultrafarma, no prédio da prefeitura. O termo de cooperação com a empresa, porém, não havia sido assinado. O chamamento público foi feito pelo ex-secretário Natalini um dia antes do primeiro evento do Cidade Verde, em maio, mas não foi adiante com a empresa. Doria foi procurado, mas não quis se pronunciar. 

Segundo Natalini, a Ultrafarma deve ter se sentido insegura após sua demissão da secretaria, em agosto, e por isso não levou o projeto adiante. O hoje vereador diz que Doria errou ao anunciar a ação antes de ela começar de fato, mas defende a Ultrafarma. Segundo ele, também próximo de Sidney, enquanto a parceria não era fechada, a empresa forneceu mão de obra para os mutirões de plantio de árvores. "É um anúncio antes da hora, precipitado. Não foi o primeiro do governo dele [Doria], certo?"

O programa, porém, também foi divulgado na página de Natalini e no site da secretaria chefiada por ele.

Por e-mail, a Ultrafarma afirmou que está à disposição para a devolução das mudas. A empresa afirmou que o fornecimento das mudas é uma das etapas, que o plantio segue cronograma da prefeitura "e nem sempre as condições são as ideais para a concluir todas as etapas". 

"Continuamos a distribuição diária da mudas para a população, totalizando 40 mil mudas por mês. Essas mudas são distribuídas nas lojas da Ultrafarma", afirma a empresa. 

Consultada nesta semana, a Secretaria do Verde e Meio Ambiente, agora na gestão de Bruno Covas (PSDB), afirmou que a parceria com a Ultrafarma "não foi implementada por decisão da empresa, que desistiu do projeto".

Segundo a gestão Covas, apesar de não ter sido firmado nenhum convênio, foram plantadas 3.180 mudas em um sistema que a prefeitura define como compartilhado, em que elas "são fornecidas pelos viveiros municipais e a iniciativa privada assume a abertura dos berços, fornecimento de insumos, acompanhamento e manutenção das árvores".

Na ocasião do primeiro evento, o anúncio da prefeitura dizia que as mudas seriam repostas posteriormente pela Ultrafarma. Além disso, a ação de plantio envolveu voluntários. De acordo com a prefeitura, além desse caso com a farmacêutica, a iniciativa privada cedeu 4.248 mudas. Entre as empresas que assinaram com a cidade, está a Coca-Cola. 

Enquanto isso, o nome Cidade Verde ainda é usado pela Ultrafarma para realizar ações de marketing em outras cidades da Grande São Paulo. No Facebook, há um perfil com o nome "Sidney Oliveira Cidade Verde", que cita a parceria com a prefeitura e anuncia doações de mudas. Doria deixou a prefeitura em abril, após 15 meses no cargo, para disputar o governo estadual.