X

Política

Doria muda própria regra e proíbe retirada de itens de moradores de rua

Em janeiro ele havia publicado um decreto no qual autorizava o recolhimento de objetos como papelões, colchões, colchonetes, cobertores

Folhapress

Publicado em 01/06/2017 às 19:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

João Doria (PSDB) voltou a proibir que pertences de moradores de rua sejam recolhidos por servidores municipais / Agência Brasil

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a proibir que pertences de moradores de rua sejam recolhidos por servidores municipais. A decisão foi publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (31).

Em 20 de janeiro, o tucano havia publicado um decreto na direção contrária: ele autorizava o recolhimento de objetos como papelões, colchões, colchonetes, cobertores, mantas, travesseiros, lençóis e barracas desmontáveis.

Com a portaria publicada na quarta, funcionários da prefeitura voltam a ser proibidos de recolher esses pertences.

Segundo a nova decisão, "durante as operações de zeladoria urbana, a mera declaração de posse ou detença é suficiente para a prova da propriedade e da aplicabilidade do procedimento de apreensão administrativa".

Em maio, o morador de rua Samir Aliahmadsati, 40, foi agredido por guardas civis metropolitanos que tentavam retirar seus pertences. O agentes pediam nota fiscal dos objetos. No mesmo mês, a prefeitura recebeu uma doação de 20 mil cobertores da loja Magazine Luiza para pessoas em situação de rua.

Favelinhas

A medida publicada nesta quarta representa um ajuste da gestão Doria em quatro meses.

Em janeiro, o decreto de tucano suprimia itens da norma anterior, de Fernando Haddad (PT), como o que proibia a apreensão de itens dos moradores de rua, tornando legal a ação de recolher esses objetos.

O decreto de Haddad, de 2016, foi editado às pressas, quando o petista sofria um desgaste tanto pelo recolhimento de cobertores e colchões, como por mortes de moradores de rua em meio ao inverno rigoroso.

A chamada "lei do frio" tinha como objetivo evitar que agentes públicos desmontassem barracas e retirassem os pertences dessa população, mas criou um efeito colateral ao provocar o aumento de pequenas favelas por diferentes pontos da cidade.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Oportunidade

Praia Grande oferece 50 vagas gratuitas para oficina de fotografia

Inscrições começam na próxima segunda (22), no Palácio das Artes

COPA DO BRASIL

Sorteio define mandos das semis da Copa do Brasil; veja quem decidirá em casa

É a primeira vez na história que uma competição de cunho nacional terá a decisão das semis sendo do eixo Rio-SP, com 2 de cada estado

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software