Doria esquece farinata e amplia alimentos orgânicos na merenda

O prefeito disse que a ideia de incluir a farinata, composto produzido a partir de alimentos prestes a vencer, já está totalmente descartada para a merenda

Comentar
Compartilhar
16 NOV 2017Por Folhapress18h02
O anúncio da farinata na merenda feito por Doria havia causado um mal estar com secretaria de EducaçãoO anúncio da farinata na merenda feito por Doria havia causado um mal estar com secretaria de EducaçãoFoto: Fotos Públicas

Depois da polêmica criada com a proposta de incluir a farinata na merenda da rede municipal de ensino, o prefeito João Doria (PSDB) anunciou nesta quinta-feira (16) a ampliação de compra de alimentos orgânicos para a alimentação escolar.

Doria disse que a ideia de incluir a farinata, composto produzido a partir de alimentos prestes a vencer, já está totalmente descartada para a merenda e para qualquer política da prefeitura. "Dada a polêmica, entendemos que não seria adequado insistir nesse projeto", disse.

A compra de alimentos orgânicos para compor a merenda é exigida por lei municipal de 2015. A gestão informou que já abriu 14 chamadas para a compra de produtos desse tipo -o mesmo número firmado no ano passado- e outras quatro estão previstas.

A prefeitura informou que investiu neste ano R$ 4,5 milhões em alimentos orgânicos e que, em 2016 (último ano da gestão Fernando Haddad (PT)), foram gastos R$ 2,8 milhões.

Uma das chamadas foi voltada para a compra de verduras e hortaliças de agricultura familiar da cidade de São Paulo, ao valor de R$ 377 mil em dois meses. A iniciativa é inédita.

Segundo o secretário de Educação, Alexandre Schneider, as escolas da prefeitura garantem nível nutricional superior ao exigido pela lei. "Essa é uma política de Estado. A merenda na prefeitura começa em 1930 com um copo de leite. De lá pra cá, todos os governos melhoraram e nós estamos fazendo nossa parte", disse Schneider.

O anúncio da farinata na merenda feito por Doria havia causado um mal estar com secretaria de Educação.

A pasta, que tem um departamento de alimentação escolar, nem sequer havia sido consultada. O tema é regido por legislação municipal e federal, que inviabilizaria a adoção do composto da forma como o prefeito anunciara.

A secretaria de Educação anunciou ainda a ampliação do número de hortas pedagógicas, chegando a 592 escolas. Em 2016, eram 351.

A pasta vai lançar no mês que vem um aplicativo, desenvolvido em um concurso, que possibilitará aos pais e a sociedade acompanharem a merenda das crianças.

São servidas por dia 2,2 milhões de refeições diárias aos 995 mil alunos da rede, em 3.200 escolas.