governo 2

Dinheiro que teria sido desviado por Maluf pode ser usado em Parque Augusta

Bancos UBS e Citibank movimentaram dinheiro que teria sido desviado pelo então prefeito, durante obras na antiga Avenida Águas Espraiadas

Comentar
Compartilhar
14 FEV 201501h25

Em coletiva de imprensa realizada na tarde desta sexta, 13, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) anunciou dois Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) firmados com os bancos UBS e Citibank no valor total de R$ 63 milhões.

Pelo acordo, o montante deverá ser utilizado pela Prefeitura prioritariamente para a aquisição do terreno do Parque Augusta, na rua homônima, entre a Caio Prado e a Marquês de Paranaguá, região central de São Paulo. "O acordo começou a ser costurado no ano passado. Tratam-se de TACs em razão de dano moral coletivo", explicou o promotor Silvio Marques, da Promotoria do Patrimônio Público e Social.

Ambos os bancos movimentaram dinheiro que teria sido desviado pelo então prefeito Paulo Maluf, durante obras na antiga Avenida Águas Espraiadas (atual Roberto Marinho) e na construção do Túnel Ayrton Senna. Os bancos, de acordo com o MP, não estavam envolvidos nos desvios, mas acordaram pagar esse valor como indenização à população por terem sido depositários dos valores irregulares.

Apesar da intenção do MP em restringir o uso desse montante apenas para a desapropriação do Parque Augusta, o prefeito Fernando Haddad (PT) conseguiu, nos últimos dias, incluir uma segunda opção no acordo: investir o dinheiro na criação de novas vagas em creches.

Dinheiro teria sido desviado pelo então prefeito Paulo Maluf  (Foto: Divulgação)

"A existência desse dinheiro é uma boa notícia. Mas se trata de uma verba públicA, de todos os paulistanos. Assim, teremos de avaliar se o ideal é investir no Parque Augusta ou em creches", disse Haddad. Ele afirmou que não pretende "vender ilusões" a respeito do parque e garantiu que as proprietárias do imóvel - as construtoras Cyrella e Setin - serão chamadas para uma conversa, juntamente com representantes do MP.

"A possibilidade (de desapropriação do terreno) foi reaberta. Mas talvez o recurso obtido não seja suficiente. Por isso, insisti nessa segunda opção: as vagas em creches, uma demanda importante da cidade", completou. O valor venal da área de 23,7 mil metros quadrados que pertence às construtoras na Rua Augusta é de R$ 128 milhões - pouco mais que o dobro, portanto, do que os bancos devem repassar ao Poder Público.

Em dezembro, entretanto, em TAC semelhante, o Deutsche Bank repassou R$ 52 milhões à Prefeitura. Se a soma desses valores fosse aplicada no Parque Augusta, como defendem alguns, o montante total estaria R$ 13 milhões a menos do que o que vale o terreno. Procuradas pela reportagem, as construtoras Cyrela e Setin, proprietárias do terreno, afirmaram que só devem se pronunciar após serem comunicadas oficialmente pelo MP.