Dilma deve ter agenda anti-Temer no Nordeste

Durante suas aparições públicas, a petista deve reforçar a tese de que Temer quer "rasgar a CLT" com a reforma da Previdência e "reduzir programas sociais

Comentar
Compartilhar
11 JUN 2016Por Folhapress22h30
Dilma deve ter agenda anti-Temer no NordesteDilma deve ter agenda anti-Temer no NordesteFoto: Divulgação

Um mês após seu afastamento da Presidência da República, Dilma Rousseff decidiu viajar ao Nordeste, reduto eleitoral do PT, para replicar o discurso de que o governo interino de Michel Temer é "ilegítimo" e "quer impor retrocessos à população".

A previsão é que Dilma faça uma fala na Assembleia Legislativa de João Pessoa (PB), na quarta-feira (15), siga a Salvador (BA), na quinta (16), e termine o roteiro na sexta (17), em Recife (PE).

Durante suas aparições públicas, a petista deve reforçar a tese de que Temer quer "rasgar a CLT" com a reforma da Previdência e "reduzir programas sociais, principalmente o Bolsa Família", com os cortes no Orçamento.

O presidente interino, por sua vez, tem dito que não vai cortar direitos adquiridos dos trabalhadores nem mesmo reduzir os programas sociais.

Oficialmente, a equipe de Temer diz que ainda estuda as medidas que seriam anunciadas e que o presidente interino vai pessoalmente esta semana levar ao Congresso a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para limitar o aumento do gasto público à variação da inflação.

Desde que foi afastada do cargo, em 12 de maio, Dilma tem intensificado suas interações nas redes sociais e concedido diversas entrevistas para a imprensa nacional e estrangeira, sempre dizendo que é "vítima de um golpe" e que Temer "não tem legitimidade" para governar.

'CLIMA DE GUERRA'

Auxiliares do presidente interino e da afastada usaram, em relatos feitos à reportagem, a mesma expressão para definir o estado de espírito de ambos no último mês: "o clima é de guerra".

Dilma tem escalado alguns de seus ex-ministros e aliados para rebater praticamente todas as medidas anunciadas por Temer, enquanto o peemedebista tem se irritado com os pedidos da petista.

Na semana passada, por exemplo, a Casa Civil restringiu o acesso de Dilma a aviões da FAB (Força Aérea Brasileira). A presidente afastada poderá usar aeronaves oficiais apenas quando se deslocar de Brasília a Porto Alegre, onde vivem seus parentes.

Temer pretende revisar e cortar o número de postos que Dilma levou para trabalhar com ela no Palácio da Alvorada –hoje a petista conta com 31 cargos do gabinete da Presidência e cinco ajudantes de ordem. O presidente interino se recusa ainda a pagar despesas de assessores durante as viagens dela.

Segundo auxiliares de Dilma, como são funcionários da Presidência, o Planalto deveria arcar com os custos e, além disso, argumentam, Temer tem 120 cargos à disposição mais os 40 da vice-presidência da República.