Dilma defende uso responsável dos royalties do petróleo

Presidente afirmou que recursos dos royalties podem transformar o Brasil em um País mais desenvolvido

Comentar
Compartilhar
27 NOV 201215h09

A presidente Dilma Rousseff, em sua coluna semanal 'Café com a presidenta', defendeu nesta terça-feira (27) o uso responsável dos recursos dos royalties do petróleo.  Dilma tem até o dia 30 deste mês para decidir sobre o projeto que altera as regras de distribuição dos royalties, alvo de contestação de Estados como Rio de Janeiro e Espírito Santo,  que temem perda de receita.

O governo do Rio organizou nesta segunda-feira (26) uma passeata para cobrar veto da presidente ao texto. Manifestantes que acusavam o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), de irregularidades foram agredidos. "A exploração do pré-sal vai significar mais encomendas de bens e serviços no Brasil, criando oportunidades de negócio e de emprego para brasileiros e brasileiras. E  usando de forma responsável os recursos dos royalties, teremos um passaporte para transformar o Brasil em um País muito mais desenvolvido e com mais oportunidades para toda a população", disse a presidente, ao responder à pergunta de uma engenheira de São Paulo, que questionou sobre a produção de petróleo na camada pré-sal.
 
Presidente Dilma defendeu, em sua coluna semanal, o uso responsável dos  royalties do petróleo (Foto: Agência Estado)
 
 
Dilma destacou que o "pré-sal tornou-se realidade" e já produz mais de 200 mil barris por dia nas bacias de Santos e de Campos. "Até 2016, o pré-sal deverá contribuir com 31% da produção total do País,  graças ao investimento da Petrobrás e de outras empresas instaladas no País, muitas em parceira com a empresa brasileira. Estes investimentos estão estimados em US$ 93 bilhões, dos quais US$ 69,6 bilhões serão aportados pela Petrobrás", disse a presidente.
 
De acordo com Dilma, o petróleo do pré-sal é uma "imensa riqueza" que se destaca pelo tamanho e pela qualidade. "O petróleo do pré-sal da Bacia de Santos, por exemplo,  tem baixa acidez e baixo teor de enxofre, características valorizadas no mercado", afirmou Dilma.
 

Colunas

Contraponto