Dilma anuncia construção de 800 aeroportos regionais no país

Presidenta defendeu o projeto de que cada cidade com até 100 mil habitantes, deve ter um aeroporto a, no máximo 60 quilômetros.

Comentar
Compartilhar
12 DEZ 201216h28

Ainda em Paris, presidenta Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira (12), que o governo pretende criar cerca de 800 aeroportos regionais no país. De acordo com a presidenta, pelo projeto, cada cidade com até 100 mil habitantes deverá ter um aeroporto a, no máximo, 60 quilômetros de distância. “É uma necessidade também importante para o crescimento do país”, disse Dilma a empresários franceses, após participar do seminário empresarial Desafios e Oportunidades de uma Parceria Estratégica.

Dilma falou sobre a importância da privatização de grandes aeroportos e da recapacitação da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e ressaltou a necessidade de interiorização do transporte aeroviário num país continental como o Brasil. A presidenta enfatizou a importância de fortalecer a aviação regional no país, "diferenciada da aviação de longo alcance". Segundo ela, é preciso interiorizar o transporte aeroviário no Brasil. "Nós precisamos de médias empresas regionais de aviação.”

A presidenta Dilma também confirmou que o Governo deve lançar, até amanhã, edital para o leilão da primeira etapa do trem-bala. (Foto: Divulgação)

A presidenta também defendeu a construção de aeroportos nos pontos turísticos do país e disse que o governo tem recursos para isso. “Nós temos recursos para isso – originários até das outorgas que cobramos dos aeroportos, dos grandes aeroportos.”

Dilma confirmou que o governo deve lançar, até quinta-feira (13), o edital para o leilão da primeira etapa do trem de alta-velocidade que ligará Campinas, São Paulo e Rio de janeiro. O edital foi aprovado na última semana pelo Tribunal de Contas da União com ressalvas. “Amanhã, daremos um passo decisivo porque o trem de alta velocidade, que será licitado em dois momentos, começa a ter a sua licitação de tecnologia – licitam-se a tecnologia a ser adotada e o operador, e, na sequência, escolhe-se e licita-se a construção.”