Derrubado projeto que proíbe uso de logomarca pela Prefeitura

Somente a criação do logotipo custou R$ 79 mil dos cofres municipais, segundo o vereador

Comentar
Compartilhar
24 FEV 201319h38

O projeto de lei 211/2007 que dispõe sobre a proibição de uso de logomarca pelo Executivo, permitindo somente o uso do brasão do município de Guarujá foi derrubado ontem, pela bancada governista, na sessão da Câmara.

O autor da proposta, o vereador Marcelo Teixeira Mariano, argumentou sobre os gastos do orçamento municipal com a confecção e a mudança de logomarca e que o logotipo é inconstitucional. Somente a criação do logotipo custou R$ 79 mil dos cofres municipais, segundo o vereador. Já o presidente da Câmara, Carlos Eduardo Pirani, endossou a proposta de Mariano, declarando, que as despesas com a divulgação da nova marca é de cerca de R$ 600 mil.

Mais uma vez a pauta contendo 58 proposituras não foi esgotada durante os trabalhos de ontem que encerraram às 20 horas, após cinco horas de duração. Aprovado, apenas o projeto de lei nº 233/2007, do vereador Francisco Pereira de Melo, sobre a criação do programa de coleta e destinação de gorduras e óleos vegetais, usados ou não em frituras de alimentos.

O vereador Edílson Magaiver Ferreira da Silva foi eleito 1º secretário da Mesa Diretora, no lugar de Válter Suman, que assumiu a Secretaria municipal de Governo. Também no lugar de Suman, Marinaldo Nenke Simões passa a compor as comissões de Saúde e Higiene, Fiscalização e Controle e Meio Ambiente.