X
Política

Delação de Cunha será 'casada' com a do operador Funaro

Pessoas próximas a Cunha relataram que ele se viu sem saída, já que o operador iria esvaziar suas chances de delação, além de tornar a sua libertação ainda mais difícil

Envolvidos nas negociações afirmaram a reportagem que o ex-deputado nunca esteve tão perto de tentar um acordo / Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso no Paraná há oito meses, está trabalhando em uma proposta de delação premiada "casada" com a de Lúcio Funaro -doleiro que é apontado em investigações como principal operador do político em esquemas de corrupção como os que envolvendo a Caixa Econômica Federal.

A decisão de delatar veio depois que Funaro bateu o martelo de que tentaria fazer o acordo.

Pessoas próximas a Cunha relataram que ele se viu sem saída, já que o operador iria esvaziar suas chances de delação, além de tornar a sua libertação ainda mais difícil. Envolvidos nas negociações afirmaram a reportagem que o ex-deputado nunca esteve tão perto de tentar um acordo.

Segundo pessoas que tiveram contato com o ex-deputado, Cunha está redigindo no Complexo-Médico Penal os anexos com os fatos que pretende revelar no acordo. O peemedebista já rascunhou mais de cem anexos para a colaboração, informou a coluna Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

Ainda não se sabe quantos deles serão aproveitados no acordo oficial.

Cunha deve envolver diretamente o presidente Michel Temer, os ministros Moreira Franco (Secretaria Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil) e o senador Romero Jucá (PMDB-RR) em sua delação.

Na tarde de quarta (5), o doleiro foi transferido do Complexo Penitenciário da Papuda, onde estava preso desde julho passado, para a carceragem da Polícia Federal, em Brasília.

O pedido de transferência foi feito pelo Ministério Público Federal, com quem Funaro tenta um acordo, e autorizado pelo juiz da 10ª vara do Distrito Federal Vallisley Oliveira.

Para cuidar da negociação de sua delação, o político contratou o advogado Délio Lins, o mesmo que fez o acordo de delação do ex-governador do Mato Grosso Silval Barbosa, do mesmo parido de Cunha, o PMDB.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Projetos ambientais recebem investimento para fortalecer ações em Santos

Três diferentes ações de projetos ambientais receberam um importante reforço para fortalecer suas atuações em Santos

Itanhaém

Seminário de Políticas Públicas para Juventude acontece nesta sexta (12) no Teatro Eva Wilma

Gratuito e aberto ao público, o evento acontece em alusão ao dia internacional da juventude

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software