X
Política

Defesa de Temer quer separar investigação de Aécio Neves

Com isso, a defesa deve contestar a competência do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), para relatar o caso

O advogado de Temer disse que avalia pedir o fatiamento do inquérito para separar as suspeitas que pesam contra seu cliente / Marcelo Casal JR/Agência Brasil

O advogado do presidente Michel Temer, Antonio Mariz, disse nesta terça (23) que avalia pedir o fatiamento do inquérito para separar as suspeitas que pesam contra seu cliente daquelas apontadas contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Com isso, a defesa deve contestar a competência do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), para relatar o caso. A operação apura condutas relacionadas ao esquema de corrupção na Petrobras.

Temer, Aécio e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) são investigados no mesmo inquérito, aberto com base na delação dos executivos da JBS, Joesley e Wesley Batista.

"Acho que não há conexão fática e nem probatória" entre as condutas imputadas a Temer e ao esquema na estatal, disse Mariz a jornalistas após se reunir com Fachin. Ele acrescentou que, "se houver" redistribuição, "torço para que caia com ele [Fachin]".

"A questão não é com ele. A questão levantada poderá querer demonstrar que não há nenhuma conexão dele, Michel Temer, com essas questões de Petrobras e Lava Jato", declarou o criminalista.

Segundo Mariz, o momento é de esperar a perícia nos áudios apresentados por Joesley. O empresário gravou conversas com os três investigados e levou o material à PGR para negociar acordo de delação premiada.

O dono da JBS utilizou dois aparelhos para gravar os diálogos. A Polícia Federal vai fazer a perícia dos áudios, mas ainda não recebeu o segundo gravador.

No pedido de investigação, a PGR apontou indícios da existência de três crimes supostamente cometidos por Temer: obstrução de Justiça, corrupção passiva e organização criminosa.

Conforme a Folha de S.Paulo antecipou, a PGR busca denunciar Temer ao STF com base na mala de dinheiro entregue pela JBS a Rocha Loures e na relação do presidente com o coronel João Baptista Lima Filho, citado nas delações.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Vem Aí

Guarujá sedia 5ª edição do Conexidades de 7 a 11 de junho

Evento ocorrerá das 7 às 19 horas e é uma realização da União dos Vereadores do Estado de São Paulo (Uvebs)

Novidade

Sabesp disponibiliza atendimento pelo WhatsApp para clientes residenciais

Aplicativo de mensagens recebe consultas sobre débitos, pedidos de segunda via da conta e registros de falta d'água, vazamentos ou qualidade da água

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software