X
Política

Cunha nega estar ‘em silêncio’ e afirma que delação é mentirosa

Na conversa com Temer, Joesley afirma ter "zerado" suas pendências com o deputado cassado e que "estava de bem" com Cunha

Cunha nega estar ‘em silêncio’ e afirma que delação é mentirosa / Divulgação

Personagem da conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, dono da JBS, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou ter seu silêncio comprado. "Estou exercendo o meu direito de defesa e não estou em silêncio e tampouco ficarei", escreveu o deputado cassado, em carta divulgada por seu advogado.

Na conversa com Temer, Joesley afirma ter "zerado" suas pendências com o deputado cassado e que "estava de bem" com Cunha. Em resposta, Temer responde: "Tem que manter isso, viu?"

Segundo disse em delação, na conversa, Joesley fazia uma menção à compra do silêncio do peemedebista, que está preso em Curitiba

Temer, no entanto, negou ter dado aval a uma possível compra de silêncio do deputado e disse que se referia a uma ajuda à família do ex-aliado.

No áudio da conversa com Joesley, Temer ainda reclama que tem sido "fustigado" pelo ex-parlamentar, que enviou perguntas a Temer, sua testemunha de defesa em um dos processos, com menções a reuniões no escritório político do presidente em São Paulo.

"Repudio com veemência as informações divulgadas de que estaria recebendo qualquer benefício para me manter em silêncio", afirma o peemedebista na carta, que tem 18 linhas, redigidas em folha de papel almaço. "São falsas as informações divulgadas atribuídas a Joesley Batista de que estaria comprando o meu silêncio."

Na carta, ele diz ainda que jamais pediu qualquer coisa a Temer. "Jamais pedi qualquer coisa ao presidente Michel Temer e também jamais recebi dele qualquer pedido para me manter em silêncio", afirmou. "Recentemente, após entrevista dele, o desmenti com contundência, mostrando que não estou alinhado em nenhuma versão de fatos que não sejam os verdadeiros", conclui.

Cunha foi condenado em março pelo juiz Sérgio Moro a 15 anos e 4 meses. O deputado cassado responde a outras duas ações penais, uma em trâmite na 10ª Vara Criminal Federal de Brasília, relativa à Operação Sépsis, e outra encaminhada a Moro pelo Supremo Tribunal Federal, que investiga se ele recebeu propina de US$ 5 milhões em contratos de construção de navios-sonda da Petrobrás.

 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Semana terá clima maluco, por isso, leve guarda-chuva, protetor solar, casaco, para-raio e um bote

Clima indeciso marcará últimos dias de novembro

Brasil

Bolsonaro participa da formatura de cadetes do Exército na Aman

Os 391 cadetes são do 4º ano da Turma Dona Rosa da Fonseca

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software