Cunha condiciona reforma política ao 'distritão'

O presidente da Câmara dos Deputados disse que pretende se empenhar pessoalmente na articulação da reforma a partir de segunda-feira

Comentar
Compartilhar
14 MAI 201515h21

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), defendeu na tarde desta quinta-feira, 14, a reforma política, condicionando o sucesso da proposta elaborada em comissão especial da Casa à adoção do chamado distritão, modelo de eleição no qual os mais votados assumem as vagas no Legislativo.

Cunha disse que pretende se empenhar pessoalmente na articulação da reforma a partir de segunda-feira. A meta dele é votar o projeto da reforma no final do mês. "Se o distritão n, 18ão passar, acho que o sistema eleitoral não muda não", disse. O relator da reforma, Marcelo Castro (PMDB-PI), apresentou hoje o relatório final que será votado pela comissão na próxima semana.

Entre as mudanças sugeridas por ele, além do distritão, estão: mandato de 10 anos para senadores, mandatos de 5 anos para os demais cargos (vereadores, deputados, prefeitos, governadores e presidente da República), fim da reeleição para o Executivo. Castro propôs, ainda, que os prefeitos eleitos no ano que vem tenha mandato de 6 anos para que todas as eleições ocorram no mesmo ano a partir de 2022, ou seja, ele eliminaria assim o modelo atual de eleição a cada dois ano.

Eduardo Cunha condicionou a reforma política ao 'distritão' (Foto: Agência Brasil)