SEDUC

Corinthians critica prefeito de São Paulo e cobra certificados

O presidente Roberto de Andrade pediu a liberação dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento das obras do Itaquerão

Comentar
Compartilhar
20 FEV 201518h55

O novo presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, fez nesta sexta-feira duras críticas ao prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. Em nota oficial divulgada no site do clube, o dirigente pediu a liberação dos Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs) das obras do Itaquerão.

O presidente afirmou que a contratação de "bons jogadores" pode ser afetada. De acordo com Andrade, os juros das dívidas feitas pelo clube durante as obras do Itaquerão já somam R$ 80 milhões.

"Se a questão não for resolvida com a rapidez exigida, o endividamento crescente começará a afetar inclusive o departamento de futebol, com o clube podendo vir a ter dificuldades para contratar bons jogadores. Um bom elenco também contribui para conseguir boas bilheterias nos jogos e seguir pagando as contas com pontualidade", registrou o clube, em nota.

Andrade alega também que, sem o dinheiro dos CIDs, o estádio pode ficar fora dos Jogos Olímpicos de 2016. "A nova diretoria teme pela realização das partidas de futebol da Olimpíada de 2016 previstas para ocorrer na Arena Corinthians."

O Corinthians criticou o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, nesta sexta-feira (Foto: Agência Brasil)

O Corinthians vive uma temporada decisiva para as finanças do estádio. A partir de julho, o clube começará a pagar os empréstimos. São prestações mensais de R$ 5 milhões ao BNDES. Em novembro de 2016, serão mais R$ 5 milhões por mês à Caixa Econômica Federal.

Por isso, a renda da bilheteria é fundamental. E, para atrair o público ao estádio, Andrade diz que é preciso ter um time forte, brigando por títulos. Toda a arrecadação da venda de ingressos está sendo colocada em uma conta aberta exclusivamente para saldar os compromissos bancários assumidos durante a obra. Para aumentar o saldo dessa conta, falta ainda o clube comercializar os espaços dos camarotes, cadeiras cativas, abrir bares e restaurantes e vender os naming rigths.

Na terça-feira, o clube havia divulgado o detalhamento do valor da obra do Itaquerão. O custo total foi de R$ 985 milhões. Na conta não foram incluídos os gastos com arquibancadas móveis (bancadas pelo governo do estado em parceria com a Ambev), as estruturas provisórias usadas na Copa do Mundo e os gastos com pagamento de juros bancários.

Em resposta, o prefeito Fernando Haddad afirmou que os CIDs, no valor de R$ 400 milhões, já foram emitidos. Para o dinheiro chegar ao clube, os CIDs precisam ser negociados. No entanto, poucos têm se interessado pelos títulos por causa da ação do Ministério Público que contesta o acordo entre a prefeitura e o Corinthians para a construção do estádio.