Com doações de empresários, Doria lidera receitas na corrida ao governo de SP

Ele registrou R$ 2 milhões em receitas - quase 80% desse montante (R$ 1,6 milhões) foram transferidos pelo diretório nacional do PSDB da fatia a que São Paulo terá direito do fundo especial de campanha

Comentar
Compartilhar
28 AGO 2018Por Folhapress17h45
Doria lidera receitas na corrida ao governo de SPDoria lidera receitas na corrida ao governo de SPFoto: Divulgação/Fotos Públicas

Nos primeiros dias de prestação de contas à Justiça Eleitoral, as campanhas do ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) e do governador de São Paulo, Márcio França (PSB), são as que declaram maior volume de receitas até o momento.

As informações são do sistema de Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), consultado nesta terça-feira (28) pela reportagem.

Doria registrou R$ 2 milhões em receitas -quase 80% desse montante (R$ 1,6 milhões) foram transferidos pelo diretório nacional do PSDB da fatia a que São Paulo terá direito do fundo especial de campanha.

Os outros R$ 400 mil vieram de empresários, como pessoas físicas. A lei eleitoral veda a doação por empresas aos candidatos. 

Até esta terça, o maior doador do tucano era Jayme Garfinkel, presidente do conselho de administração da seguradora Porto Seguro Seguros, que transferiu R$ 250 mil à campanha.

Na sequência, Abram Szajman, presidente da Fecomercio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), doou R$ 100 mil. Roberto Baumgart, proprietário do shopping Center Norte, contribuiu com R$ 50 mil e Hélio Ribeiro Duarte, R$ 5.000.

Márcio França recebeu, até o momento, R$ 1,5 milhão do PSB, parte do fundo especial de campanha. O partido tem direito a  R$ 118,8 milhões e decidiu que 45% desse total (R$ 53,4 milhões) será dividido entre as campanhas majoritárias estaduais. A sigla tem nove candidaturas aos governos e onze ao Senado.

Com a terceira maior receita já declarada, Paulo Skaf (MDB) diz que arrecadou R$ 139,6 mil, dos quais R$ 129 mil vieram de uma vaquinha entre seus apoiadores. Lisete Arelaro, do PSOL, registrou R$ 112,3 mil, vindos do fundo especial de campanha.

Rogerio  Chequer (Novo) declarou R$ 1.500 e Toninho Ferreira (PSTU), R$ 100. Os demais candidatos ainda não declararam receitas.

Os dados são preenchidos pelos comitês ao longo da campanha e as contas são aprovadas ou rejeitadas ao final do pleito.