Citado em delações, Alvaro Dias foi autor de projetos anticorrupção no Senado

Dias, de fato, apresentava propostas de combate à corrupção antes de ser deflagrada a primeira fase da Lava Jato, em 2014

Comentar
Compartilhar
30 AGO 2018Por Folhapress11h45
Citado em delações, Alvaro Dias foi autor de projetos anticorrupção no SenadoCitado em delações, Alvaro Dias foi autor de projetos anticorrupção no SenadoFoto: Divulgação/Fotos Públicas

No Senado, o presidenciável Alvaro Dias (Podemos) tem focado na pauta anticorrupção. Na oficialização de sua candidatura ao Planalto, anunciou que convidará o juiz Sergio Moro para ser ministro da Justiça.

"Eu posso querer, eu tenho o direito de querer. E eu posso convidá-lo. Outros não podem", afirmou em sabatina com representantes do agronegócio nesta quarta (29).

Dias, de fato, apresentava propostas de combate à corrupção antes de ser deflagrada a primeira fase da Lava Jato, em 2014.

Ele é autor, por exemplo, da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) contra o foro privilegiado, protocolada em 2013. Aprovada no Senado, a proposta agora tramita na Câmara dos Deputados.

Em 2012, foi relator do projeto de lei que busca incluir a corrupção no rol de crimes hediondos, também em tramitação na Câmara.

Dias presidiu, ainda, a CPI do Futebol (2000) e foi membro titular da CPI dos Correios, em 2005.

O candidato à Presidência não foi acusado formalmente no âmbito da Operação Lava Jato, mas foi citado em algumas delações, como a de Pedro Novis, da Odebrecht.

Novis disse que a empreiteira pagou propina a pessoas ligadas a Dias, quando governador.

A PGR (Procuradoria-Geral da República), no entanto, não encontrou indícios suficientes para abrir uma investigação.

Dias é próximo do empresário Joel Malucelli, dono do grupo J. Malucelli. A empreiteira do conglomerado foi alvo da 49ª fase da Lava Jato. O amigo de Dias é presidente do Podemos no Paraná e foi seu suplente no Senado até o início de julho, quando pediu licença.

A construtora integra o Consórcio Norte Energia, que venceu o leilão para a construção da hidrelétrica de Belo Monte em 2010. Segundo investigações, o governo federal teria atuado indevidamente para garantir a vitória do consórcio. Em nota, o grupo negou ter feito pagamentos indevidos.

O senador também foi acusado de ter se beneficiado de recursos públicos da prefeitura de Maringá (PR) para financiar sua campanha em 1998. A assessoria do ex-governador ressalta que a denúncia foi arquivada.